Tamanho do texto

Ministro da Segurança Pública comemora segundo turno tranquilo em Brasília, onde acompanha votação; pela manhã, Jungmann votou em Recife

Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, comemora clima tranquilo no segundo turno
Isaac Amorim/MESP - 3.5.18
Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, comemora clima tranquilo no segundo turno


O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann , disse neste domingo (28) que espera que a vontade do eleitor seja respeitada. Ele esteve no Centro Integrado de Comando e Controle Nacional, na sede da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Brasília, para acompanhar o andamento da votação do segundo turno.

Leia também: Manuela alfineta Bolsonaro ao votar e vê liberdade de imprensa com dias contados  

“Isso faz parte da democracia ”, completou, depois de dizer que o mais importante é que a escolha do candidato pelos brasileiros seja preservada. Pela manhã, antes da declaração dada em no Distrito Federal, Raul Jungmann voou para Recife, Pernambuco, para votar.

Jungmann destacou que o clima deste segundo turno é de tranquilidade. Até o momento, as ocorrências estão registrando números reduzidos e não houve nenhum conflito grave. “A prosseguir nesse ritmo que temos observado até aqui, diria que as eleições tendem a ser bastante tranquilas”, completou.

Leia também: FHC não diz em quem votou, mas cobra "respeito à Constituição" de quem ganhar

Além de poucos conflitos, o ministro também disse que não há nenhuma informação de briga entre eleitores de candidatos opostos. “É uma demonstração de maturidade que estamos vendo nessas eleições, se repetindo o que aconteceu no primeiro turno”, comemorou. “A expectativa é que o pós-eleições seja tranquilo quanto foi até aqui.”

Raul Jungmann destaca “tranquilidade”; números são menores que os esperados

Reprodução/BBC
"A expectativa é que o pós-eleições seja tranquilo quanto foi até aqui", disse o ministro Raul Jungmann

Leia também: TSE já registra 1.956 substituições de urnas eletrônicas e 35 prisões

A tranquilidade destacada por Raul Jungmann vem depois da divulgação do balanço das 12h, no qual foram registrados 83 casos de crimes eleitorais. Desses, 22 são de boca de urna. Além disso, 58 pessoas foram presas por crimes eleitorais, mas não há nenhum registro de detenção de candidato. Ao lado das Polícias Civis e Militares, o Ministério da Segurança Pública coordena as operações nos estados. A Polícia Federal também montou um aparato para as eleições, que trabalha nas investigações determinadas pela Justiça Federal.