Tamanho do texto

Ex-presidente Dilma Rousseff votou sozinha na manhã deste domingo, em Belo Horizonte; Gleisi Hoffmann, presidente do PT, também já foi às urnas

Ex-presidente Dilma Rousseff diz que é preciso investigar
Ricardo Stuckert/Instituto Lula - 31.5.18
Ex-presidente Dilma Rousseff diz que é preciso investigar "o que aconteceu no WhatsApp"


A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) votou desacompanhada e entrou pela porta lateral de seu colégio eleitoral na manhã deste domingo (28), em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Quando perguntada sobre a fala do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), que, durante discurso em  manifestações a seu favor no último domingo (21), disse que seus opositores devem “ir para fora [do país] ou para a cadeia”, e e sobre a declaração de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), que ameaçou “fechar o STF (Supremo Tribunal Federal)”, a ex-presidente Dilma Rousseff declarou ao jornal à Folha de S. Paulo que “Bolsonaro morreu pela boca”.

Ela também afirmou que acredita na virada do presidenciável Fernando Haddad (PT), e que é preciso investigar “o que aconteceu no WhatsApp ”, referindo-se à reportagem produzida pelo jornal, que revelou uma campanha anti-PT no aplicativo , paga por empresários que apoiam o candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Ainda segundo informações da publicação, a ex-presidente Dilma Rousseff deve viajar para São Paulo neste domingo, para acompanhar a apuração do resultado das eleições 2018.

Além da ex-presidente Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann também já votou

Além da ex-presidente Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann também acredita na virada de Fernando Haddad (PT)
Reprodução/Twitter
Além da ex-presidente Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann também acredita na virada de Fernando Haddad (PT)




A senadora e presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, também votou na manhã deste domingo, em Curitiba, Paraná. A expectativa dela, que assumirá o cargo de deputada federal em 2019, é, como a da ex-presidente Dilma Rousseff , de que o candidato petista consiga uma virada e ganhe a disputa eleitoral para presidente.