Lava Jato exige dados sobre Lula em eventual acordo de delação da Odebrecht

Por Estadão Conteúdo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Na última terça-feira (22), o grupo tornou pública a intenção de executivos da empresa em fechar uma colaboração efetiva

Estadão Conteúdo

A força-tarefa da Lava Jato critica a divulgação do possível acordo com o Grupo Odebrecht
Reuters
A força-tarefa da Lava Jato critica a divulgação do possível acordo com o Grupo Odebrecht

Os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba, não abrem mão da ampla confissão do empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht em um eventual acordo de delação premiada. O Grupo Odebrecht tornou pública nesta quarta-feira (23), a intenção de executivos da empresa de fechar uma colaboração efetiva com os investigadores, em busca de redução de pena.

Para a força-tarefa da Lava Jato, um ponto visto como essencial para os investigadores em uma negociação é que os executivos do Grupo Odebrecht revelem dados sobre os pagamentos de palestras, doações e reformas feitas em benefício do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, de tirar das mãos do juiz federal Sérgio Moro os inquéritos envolvendo o ex-presidente, a empreitera poderia negociar seu acordo tanto na Justiça de Curitiba, quanto no STF – nos casos dos processos envolvendo alvos com foro privilegiado. Em nota, o grupo mandou um sinal ao mercado de que quer falar sobre doações eleitorais.

Além de confessar ter conhecimento sobre o "departamento da propina" revelado pela Operação Xepa – 26ª fase deflagrada na terça-feira (22) –, os procuradores da força-tarefa querem detalhes sobre a corrupção em outras obras e áreas do governo. Algumas delas já estão no radar da Lava Jato, como o setor de plataformas na Petrobras, o estádio Itaquerão, em São Paulo, o Porto Maravilha, no Rio, entre outras.

Por outro lado, a tentativa de negociação de uma delação premiada por executivos do Grupo Odebrecht começou mal, na avaliação dos procuradores. Na nota de esclarecimento divulgada nesta quarta-feira (23), em que afirmou não existir sequer negociação iniciada sobre acordos de colaboração com executivos ou leniência com o Grupo Odebrecht, a força-tarefa critica a divulgação do possível acordo.

Veja imagens da operação Lava Jato da Polícia Federal

Agentes da Polícia Federal fazem busca e apreensão no gabinete do Senador Delcídio do Amaral (PT-MT) nesta quarta-feira (25). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 25.11.15Agentes da Polícia Federal fazem busca e apreensão no gabinete do Senador Delcídio do Amaral (PT-MT), nesta quarta-feira (25). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 25.11.15Diogo Ferreira Rodrigues, chefe de gabinete do senador Delcidio Amaral, chega à Superintendência da Polícia Federal. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil - 25.11.15Vista do Hotel Blue Tree Premium, em Londrina (PR), um dos imóveis que serão leiloados do doleiro londrinense Alberto Youssef. Foto: Anderson Coelho/Futura PressRenato Duque durante acareaçÃo da CPI da Petrobras, na sede da Justiça Federal, em Curitiba (PR). Foto: Rodrigo Félix Leal/Futura PressProcurador Carlos Fernando Lima em coletiva sobre a 20ª fase da Operação Lava Jato, no auditório da PF em Curitiba (PR), chamada de "Corrosão". Foto: Rodrigo Félix Leal/Futura PressPolícia Federal realiza operação de busca e apreensão na casa do senador Delcídio do Amaral, no Condomínio Bela Vista, em Campo Grande (MS). Foto: Moisés Palácios/Futura PressO preso apontado pela Operação Lava Jato como o maior operador de propina na Diretoria Internacional da Petrobras, João Rezende Henriques . Foto: Rodrigo Leal Félix/Futura PressO juiz federal Sergio Moro, que comanda a Operação Lava Jato, no Fórum Aner de Revistas, em São Paulo. Foto: Newton Menezes/Futura PressJoão Vaccari Neto durante acareação da CPI da Petrobras, na sede da Justiça Federal, em Curitiba (PR).. Foto: Rodrigo Félix Leal/Futura PressFachada do prédio Connect Smart Hotel, em Salvador (BA). Um dos bens de réus da Operação Lava Jato avaliados em R$ 8 milhões que vai a leilão.. Foto: Romildo de Jesus/Futura PressAugusto Mendonça durante acareação da CPI da Petrobras, na sede da Justiça Federal, em Curitiba (PR).. Foto: Rodrigo Félix Leal/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalSuspeito de ligação com Alberto Yousseff, Adarico Negromonte é preso pela PF, em novembro.. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressO advogado da Queiroz Galvão, José Luiz de Oliveira Neto, em entrevista em novembro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressRoberto Brzezinski Neto, representante do escritório que defende Renato Duque na Operação Lava Jato, em janeiro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasLilian Pinheiro visita o pai, Leo Pinheiro (presidente da OAS), em carceragem da PF, em janeiro. Foto: Futura PressAmigos e familiares do lobista Fernando Baiano o visitam em carceragem da PF em Curitiba (PR), em 21 de janeiro. Foto: Futura PressProcurador Deltan Dallagnol explica como era feita esquema de propina na Petrobras, em coletiva realiazada em Curitiba (PR), no dia 11 de dezembro. Foto: Futura PressSede do Ministério Público Federal, que investiga os desvios na Petrobras. Foto: Futura PressViatura da Receita Federal deixa prédio da construtora Camargo Correia durante operação Lava Jato, em 14 de novembro. Foto: Futura PressMalotes com documentos de detidos na Operação Lava Jato apreendidos pela PF em 14 de novembro . Foto: Futura PressPresidente da construtora UTC, Ricardo Pessoa, é preso pela PF em 14 de novembro de 2014. Foto: Futura PressPolícia Federal vasculha sede da OAS, uma das envolvidas em esquemas de propinas da Lava Jato, em novembro de 2014. Foto: Futura PressFuncionário manuseia obras de artistas brasileiros apreendidas pela PF na Operação Lava Jato, em 16 de maio. Foto: Futura PressPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado


Leia tudo sobre: Operação Lava JatoLava JatoOdebrechtdelação premiadaLulaPT

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas