Câmara aprova cláusula de barreira para Fundo Partidário e tempo de TV

Por Agência Brasil - | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Legendas precisarão ter eleito pelo menos um integrante do Congresso e concorrido com candidatos próprios à Câmara

Agência Brasil

Rodrigo Maia (DEM-RJ) participa de sessão sobre a reforma politica
Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 26.5.15
Rodrigo Maia (DEM-RJ) participa de sessão sobre a reforma politica

O plenário da Câmara aprovou nesta quinta-feira (28) dispositivo que estabelece uma nova cláusula de barreira, ou de desempenho, mudando as regras de acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de rádio e televisão.

Foram 369 votos a favor, 39 contra e cinco abstenções ao destaque apresentado ao relatório do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) à proposta de emenda à Constituição (PEC 182/07) que trata da reforma política. O dispositivo ainda precisa ser aprovado em segundo turno para ser encaminhado ao Senado para apreciação.Fim das coligações nas eleições proporcionais é rejeitado

A medida estabelece que só terão acesso aos recursos do Fundo Partidário e ao tempo de rádio e televisão os partidos que tiverem pelo menos um candidato à Câmara Federal e um parlamentar eleito para a Câmara ou para o Senado. Pela medida, não terão acesso aos benefícios quatro partidos: PSTU, PCO, PPL e PCB. 

Leia também:

- Câmara aprova doaçoes de empresas a partido e fim da reeleição

- Aprovado fim da reeleição para governador, prefeito e presidente

- Tiririca custa R$ 805 mil e rende R$ 15 milhões ao PR em 4 anos

Hoje, todos os partidos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) têm direito a uma parte do Fundo Partidário e tempo de rádio e TV. O fundo é dividido da seguinte forma: 95% para os partidos com representação na Câmara, de acordo com o tamanho da bancadas, e os outros 5%  divididos igualmente entre todos os partidos com registro no TSE.

Fim das coligações nas eleições proporcionais é rejeitado

Antes da aprovação da cláusula de desempenho, os deputados rejeitaram o destaque do PSDB que propunha acabar com as coligações nas eleições proporcionais (deputados federais, estaduais e vereadores). Foram 206 votos a favor, 236 contra e cinco abstenções.

O dispositivo assegurava as coligações eleitorais nas eleições majoritárias (presidente da República, governador, senador e prefeito). Com a rejeição do destaque, fica mantido o atual sistema eleitoral, que permite as coligações tanto nas eleições proporcionais quanto nas majoritárias.

Em outra votação, os deputados rejeitaram requerimento de preferência para votação de emenda que previa mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos do Executivo e do Legislativo, exceto de senador, que continuaria com mandato de oito anos.

Como o assunto é complexo, a votação da proposta sobre definição do tamanho dos mandatos ficou para ser feita após a votação do projeto de lei que modifica as regras da desoneração da folha de pagamentos.

As votações dos outros pontos da reforma política, que não foram apreciados nesta semana, ficaram para a semana do dia 10 de junho, segundo o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

ue apresentado ao relatório do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) à proposta de emenda à Constituição (PEC 182/07) que trata da reforma política. O dispositivo ainda precisa ser aprovado em segundo turno para ser encaminhado ao Senado para apreciação.Fim das coligações nas eleições proporcionais é rejeitado

A medida estabelece que só terão acesso aos recursos do Fundo Partidário e ao tempo de rádio e televisão os partidos que tiverem pelo menos um candidato à Câmara Federal e um parlamentar eleito para a Câmara ou para o Senado. Pela medida, não terão acesso aos benefícios quatro partidos: PSTU, PCO, PPL e PCB. 

Leia também:

- Câmara aprova doaçoes de empresas a partido e fim da reeleição

- Aprovado fim da reeleição para governador, prefeito e presidente

- Tiririca custa R$ 805 mil e rende R$ 15 milhões ao PR em 4 anos

Hoje, todos os partidos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) têm direito a uma parte do Fundo Partidário e tempo de rádio e TV. O fundo é dividido da seguinte forma: 95% para os partidos com representação na Câmara, de acordo com o tamanho da bancadas, e os outros 5%  divididos igualmente entre todos os partidos com registro no TSE.

Fim das coligações nas eleições proporcionais é rejeitado

Antes da aprovação da cláusula de desempenho, os deputados rejeitaram o destaque do PSDB que propunha acabar com as coligações nas eleições proporcionais (deputados federais, estaduais e vereadores). Foram 206 votos a favor, 236 contra e cinco abstenções.

O dispositivo assegurava as coligações eleitorais nas eleições majoritárias (presidente da República, governador, senador e prefeito). Com a rejeição do destaque, fica mantido o atual sistema eleitoral, que permite as coligações tanto nas eleições proporcionais quanto nas majoritárias.

Em outra votação, os deputados rejeitaram requerimento de preferência para votação de emenda que previa mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos do Executivo e do Legislativo, exceto de senador, que continuaria com mandato de oito anos.

Como o assunto é complexo, a votação da proposta sobre definição do tamanho dos mandatos ficou para ser feita após a votação do projeto de lei que modifica as regras da desoneração da folha de pagamentos.

As votações dos outros pontos da reforma política, que não foram apreciados nesta semana, ficaram para a semana do dia 10 de junho, segundo o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Levante da Juventude faz protesto pela reforma política; veja fotos

Levante Popular da Juventude organiza protestos e promete 'radicalizar a democracia'. Foto: DivulgaçãoLevante Popular da Juventude organiza protestos e promete 'radicalizar a democracia'. Foto: DivulgaçãoLevante Popular da Juventude organiza protestos e promete 'radicalizar a democracia'. Foto: DivulgaçãoLevante Popular da Juventude organiza protestos e promete 'radicalizar a democracia'. Foto: DivulgaçãoLevante Popular da Juventude organiza protestos e promete 'radicalizar a democracia'. Foto: DivulgaçãoLevante Popular da Juventude organiza protestos e promete 'radicalizar a democracia'. Foto: Divulgação



compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas