Dilma e Aécio trocam agressividade por guerra de números em penúltimo debate

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Faltando uma semana para eleição, adversários pelo Planalto abandonaram tom beligerante dos confrontos anteriores na TV

Dilma Rousseff, presidente e candidata à reeleição pelo PT, e Aécio Neves, presidenciável do PSDB, participaram neste domingo (19) do penúltimo debate antes do segundo turno das eleições presidenciais. O tom foi bem menos beligerante do que nos dois confrontos anteriores, apresentados pelo SBT e pela Band. Em vez de ataques diretos, os dois fizeram uma guerra de números, citados numa frequencia capaz de confundir os eleitores que estavam à frente da televisão.  

Isso aconteceu, por exemplo, quando os dois discutiram o tema da segurança pública. O tucano citou números para dizer que os governos do PT não investem o suficiente na área, além de apontar a estatística de que morrem 24 jovens por dia no Brasil. "O seu governo criou um programa "Crack é possível vencer", mas gastou só 40% do que propôs", atacou o tucano. 

Ao falor do assunto, Dilma também disparou números, cintando as passagens de Aécio pelo governo de Minas Gerais. "Sinto muito, candidato, mas no mapa da violência consta que em Minas houve um aumento da criminalidade em 56%. O senhor fala muito dos fundos. Nós, candidatos, não gastamos R$ 4,3 bilhões, gastamos R$ 17,7 bilhões. Usamos para construir centros de controle, que foram o bastante para unificar as polícias."

Análise: 
Dilma reduz ataques, adota tom propositivo e apresenta propostas em debate
-
 Em debate, Aécio adota tom suave para atacar Dilma sem ser agressivo

Candidatos Dilma Rousseff e Aécio Neves a postos para o debate da Rede Record na noite deste domingo (19/10). Foto: Nacho Doce/ ReutersDilma foi a primeira a fazer perguntas no debate da noite deste domingo na Record (19/10). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Reação de Aécio Neves durante terceiro debate entre os candidatos à Presidência no segundo turno das eleições (19/10). Foto: Andre Penner/APReação de Dilma Rousseff durante o terceiro debate do segundo turno das eleições presidenciais (19/10). Foto: Andre Penner/APA Rede Record realizou na noite deste domingo (19) o terceiro debate presidencial do segundo turno da eleições . Foto: ReproduçãoTrabalho de câmera durante debate da Record (19/10). Foto: Nacho Doce/ReutersDilma Rousseff, presidente e candidata à reeleição pelo PT, participa do debate presidencial da Rede Record . Foto: ReproduçãoAécio Neves, candidato à Presidência pelo PSDB,  no debate promovido pela Rede Record  . Foto: ReproduçãoNo início do debate, Dilma e Aécio mostraram uma postura menos beligerante dos últimos anos . Foto: Vitor SoranoDilma chega para o debate da Record, o terceiro encontro com Aécio no segundo turno das eleições (19/10). Foto: Ichiro Guerra/ Dilma 13Aécio Neves conversa com jornalista na chegada aos estúdios da Record para o debate da noite deste domingo (19/10). Foto: Andre Penner/APOs partidos de Dilma ocuparam a outra metade da plateia . Foto: Vitor SoranoPlateia ocupada pelos tucanos no debate Record . Foto: Vitor Sorano

Empreendedores e o Simples 

Feita por Dilma, a primeira pergunta do debate foi sobre pequenos e médios empreendedores. “Meu governo deu um forte apoio ao microempreededor individual e à microempresa que, juntos, correspondem a 40% dos negócios no País. Reduzimos impostos e formalizamos a situação”, disse a presidente. Em sua resposta, o tucano ressaltou que a legislação do imposto unificado Simples foi criada no governo do tucano Fernando Henrique Cardoso (FHC) na Presidência.

Dilma x Aécio: veja diferenças e semelhanças nas propostas dos dois candidatos

“Nossa posição é a mesma que tivemos quando o criamos, no governo FHC. O que nós queremos é continuar ampliando o acesso ao micro-empresário”, argumentou Aécio.

O debate entre eles se tornou mais combativo quando Aécio disse que o Brasil vive uma crise econômica, com aumento da inflação. “Eu a convido a debater o presente. Por que a indústria está demitindo 100 pessoas por dia em São Paulo? Por que a indústria está sucateada? Por que tivemos nos últimos seis meses os piores meses da década com relação à geração de emprego?”, questionou o tucano.

Debates anteriores: 
Aécio e Dilma sobem tom, se acusam e esquecem propostas no 1º debate do 2º turno
-  Em debate, Aécio ataca Petrobras e mensalão e Dilma cita Cláudio e nepotismo

Dilma respondeu citando a proposta da equipe econômica do tucano de ter uma meta de inflação de 3% ao mês, o que segundo ela levaria o nível de desemprego e a taxa de juros no País. "Eu tenho certeza que a inflação está sob controle e isto é inequívoco", afirmou a petista.

Petrobras volta ao debate

As denúncias de corrupção da Petrobras voltaram a ser tema de confronto entre os dois adversários pela Presidência quando Aécio trouxe o tema à tona.

"Agora a senhora finalmente reconhece que houve desvios na Petrobrás. João Vaccari Neto continuará como tesoureiro do PT e no Conselho da Usina de Itaipu?”, provocou o tucano. Como nos debates anteriores, Dilma voltou a dizer que o caso só está sendo investigado porque os governos petistas fortaleceram instituições como a Polícia Federal e o Ministério Público.

Dilma ainda acusou o governo FHC de engavetar denúncias de corrupção. “O senhor confia em todos aqueles que, segundo as mesmas fontes que acusam o Vaccari, dizem que o presidente do seu partido, que infelizmente está morto, recebeu propina? Na última vez que denunciaram pessoas do seu partido sobre o cartel do Metrô, o senhor disse não acreditar em delatores. Eu faço diferente. Eu preciso saber quem foi e quanto recebeu”, argumentou a petista.

Nacho Doce/Reuters
Trabalho de câmera durante debate da Record (19/10)


Ainda  no assunto, eles trocaram farpas sobre a posição da empresa no mercado internacional.  "Vou voltar a falar de Petrobrás, mas fique tranquila pois não é sobre corrupção, é sobre gestão. Quem investiu R$ 1 mil na Petrobrás, hoje tem R$ 600", ironizou Aécio. 

Dilma dovolveu o ataque no mesmo tom: "Vocês não tem a menor moral para falar de valor da Petrobras. Valia R$ 15 bilhões na época de vocês e hoje vale mais de R$ 100 bilhões. Vocês tentaram privatizar a Petrobrás, tentando mudar o nome dela para Petrobrax. O trabalhador brasileiro pode ficar tranquilo que a Petrobras vai dar muito lucro. Em menos de oito anos extraímos o que foi extraído em 30 anos."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas