Ex-presidente disse que não há nada de objetivo nas acusações sobre a participação dos ex-governadores Covas e Serra e do governador Alckmin no cartel para obras do metrô de São Paulo

Agência Estado

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também presidente de honra do PSDB, saiu nesta sexta-feira em defesa de seus companheiros de partido que governavam São Paulo no período em que supostamente um cartel se formou para atuar em licitações do metrô paulista. Segundo o ex-presidente, "há muita agitação, mas pouca coisa concreta a respeito" da denúncia e "é preciso tomar cuidado" com as acusações. Ele destacou que "não houve acusação de que o governo de São Paulo tivesse sido favorecido ou que algum político do PSDB tivesse se beneficiado".

MP: Empresas de cartel do metrô serão tratadas como organizações criminosas

Alckmin: 'Se for confirmado cartel, Estado é vítima', diz governador de SP

Tucano: Matarazzo diz que denúncia contra ele sobre cartel é 'disparate'

Ex-presidente FHC defende tucanos das acusações de formação de cartel em SP
Agência Brasil
Ex-presidente FHC defende tucanos das acusações de formação de cartel em SP

O ex-presidente manifestou preocupação com a possibilidade de os eleitores acharem que todos os políticos são iguais na relação com a corrupção. "Do que eu saiba, os governadores de São Paulo Mário Covas (morto em 2001), Geraldo Alckmin e José Serra são pessoas que não entram neste campo de corrupção, não têm nada a ver com isso", disse Fernando Henrique, que participou de um evento promovido por médicos no Copacabana Palace. "Quando começam a misturar as águas, não é bom. Isso pode dar a impressão de que é parecido com o que outros fizeram. Não há nada que indique isso."

Fernando Henrique afirmou que, do que viu, não há nada objetivo em relação às denúncias de que tucanos estariam envolvidos nas irregularidades. "A questão é evitar a formação de cartel", afirmou. Ele admitiu, porém, que licitações podem gerar corrupção. "No mundo inteiro há o mesmo problema: você não tem um mecanismo perfeito para evitar que os grupos se organizem com o objetivo de fraudar de alguma maneira a boa intenção de uma licitação", declarou.

Leia mais sobre o caso:

Superfaturamento de cartel de trens e metrô pode chegar a R$ 577 milhões

Alckmin anuncia comissão para acompanhar investigações sobre Metrô e CPTM

Petistas e tucanos tentam romper segredo de investigações do Metrô

"Mesmo assim, tem que fazer licitação, não tem jeito. Nestas áreas, há pouquíssimas empresas no mundo, acaba sendo difícil separar, mas tem que haver transparência, explicar mais claramente os fatos. As últimas declarações do governador Serra foram boas, explicam bem do que se trata. Caso contrário, a população ficaria pensando que é tudo farinha do mesmo saco. E não é."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.