'Fiquei muito decepcionado com o Aécio', diz Ciro Gomes

Ciro Gomes afirmou acreditar que o PSB perdeu a chance de concorrer em 2010 e só deve sonhar com a Presidência em 2018. 'Temos uma obrigação moral com a presidenta Dilma'

Agência Estado |

Agência Estado

Dizendo-se decepcionado com o tradicional aliado Aécio Neves (PSDB), Ciro Gomes (PSB) resolveu declarar apoio à reeleição da presidenta Dilma Rousseff (PT) em 2014. Ele acredita que o PSB perdeu a chance de concorrer em 2010 e agora só deve sonhar com a Presidência em 2018.

Reação PSDB-MG: Ciro está incomodado com projeção de Aécio, diz Pestana

Leia também:  PT encolhe no mapa eleitoral e vira alvo de aliados nas capitais

"Caso queira disputar em 2014, deve entregar os cargos que tem no governo federal agora", afirmou, em meio a campanha intensa que faz em Fortaleza para tentar eleger o deputado estadual Roberto Cláudio (PSB) prefeito de Fortaleza.

Agência Assembleia Legislativa/Maximo Moura
Ciro Gomes (PSB) faz campanha para eleger Roberto Cláudio à Prefeitura de Fortaleza

Confira a entrevista na íntegra:

A Operação BH pode prejudicar a aliança do PSB com o PT em 2014?

Ciro Gomes - Nós compreendemos, guardando aí a história do Brasil, que eleição municipal é episódio que por regra se exaure por si mesmo. Claro que desgastes, mal-entendidos, tristezas e frustrações podem gerar consequências futuras. Mas, em Belo Horizonte, está acontecendo um caso muito específico que é consequência de um erro, na minha opinião primário, que o Aécio Neves cometeu.

Saiba mais:  PSB lança candidato em Recife e aprofunda crise com o PT

Que erro foi esse?

Ciro Gomes - Eu disse a ele, quando fomos conversar, que ele cometeu um erro primário. O Aécio resolveu sair de uma posição que o distinguia, que o elevava, que o punha em alto nível, sendo talvez a única exceção do Brasil a partir de Belo Horizonte, onde a conflagração estéril e miúda entre o PT e PSDB imposta por São Paulo ao Brasil mostrava que era possível fazer diferente.

E isso produziu como consequência uma convergência com o PSB e uma administração de melhor avaliação do País. Portanto, não só a qualidade política distinguiu o Aécio nessa aliança, como a consequência desse gesto, vamos dizer generoso, político, superior, de alto nível, produz a melhor administração em capitais do Brasil. Isso credenciava o Aécio a ser considerado de forma distinta pelo exemplo, menos pela retórica.

E ele, inacreditavelmente, acho que por influência da alienação política que Brasília provoca nas pessoas, resolveu forçar a mão em cima do Marcio Lacerda para provocar o fim da aliança com o PT e precipitar em Belo Horizonte uma disputa completamente extemporânea, descabida, pela Presidência da República.

Leia também:  Belo Horizonte vira palco de briga entre Dilma e Aécio

A conversa que o senhor teve com Aécio Neves respinga em 2014?

Ciro Gomes -  Minha afeição, meu apreço, meu respeito, meu carinho pelo Aécio não mudam. Mas eu preciso dizer em alto e bom som que fiquei muito decepcionado com este movimento dele.

O senhor não apoiaria mais Aécio para presidente do Brasil em 2014?

Ciro Gomes - Nós nunca tivemos uma relação fora de Minas Gerais. Se o Aécio fosse candidato à Presidência da República numa certa circunstância, no passado, eu admitiria votar nele, porque acho que ele seria importante para o Brasil nessa circunstância de exemplo de político.

Mas esta confrontação estéril, despolitizada, entre o PT e o PSDB de São Paulo tem provocado muita coisa ruim no Brasil. Quando Fernando Henrique Cardoso tomou posse, ele era claramente uma novidade importante para o País. O PT se recusa a apoiar o Fernando Henrique e ele se abraça com o PFL e o PMDB.

Não propriamente com os partidos, mas com a escória desses partidos. Em seguida o Lula ganha a Presidência da República. O PSDB então, incrivelmente, se recusa a dialogar com Lula. E Lula se obriga a confraternizar, de novo, com a escória da política brasileira. De maneira que o que muda do PSDB para o PT é só a escória que não sai do poder no Brasil.

Leia também: Cabos eleitorais de 'Aécio presidente' se unem contra Lacerda em BH

AE
Ciro Gomes afirma que PSB, em sua opinião, tem obrigação moral com presidenta Dilma Rousseff


Como será a disputa em 2014?

Ciro Gomes - Na minha opinião, nós temos uma obrigação moral com a presidenta Dilma. Nossa vez de ter lançado candidato próprio era na vez passada. Porque não havia uma candidatura natural. O Lula encerrava um ciclo. Eu tinha o segundo lugar nas pesquisas. Como percebemos o movimento contra a minha pessoa e fui da opinião de votar logo no primeiro turno na Dilma, agora participamos do governo da Dilma e eu cultivo a lealdade.

Alianças em disputa: 'Fator Aécio' traz reviravolta em Belo Horizonte

Só 2018, então?

Ciro Gomes - É. Uma vocação natural do partido é disputar. E podemos até disputar em 2014, mas temos que sair publicamente agora do governo e dizer qual o projeto melhor que temos para oferecer ao povo brasileiro. Mas agora estamos apoiando é a Dilma.

E a eleição em Fortaleza?

Ciro Gomes - Nós, liderados pelo governador Cid Gomes, nos esforçamos até a undécima hora para votar num candidato do PT, desde que tivesse autonomia em relação à atual administração e pudesse sinalizar respeitosamente para Fortaleza que o clamor por mudança seria atendido. Infelizmente não conseguimos, pois os companheiros do PT não convenceram a prefeita, que tem o controle da burocracia, e isso nos levou a romper com a obrigação de apoiar o candidato do PT.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG