Tribunal nega pedido para Cachoeira ficar em silêncio ao depor à Justiça

Bicheiro terá de dar explicações nesta quarta-feira sobre a acusação de comandar jogos ilegais e esquema de corrupção

Agência Brasil |

Agência Brasil

O juiz federal Alexandre Franco, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), negou nesta segunda-feira (23) pedido da defesa do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira para que ele permaneça calado em depoimento na Justiça nesta quarta-feira (25). O juiz Alexandre Franco substitui temporariamente o desembargador Fernando Tourinho Neto, que está de férias. Tourinho Neto já decidiu favoravelmente ao contraventor em outras ocasiões.

Depoimento à Justiça: Cachoeira participará de audiências em Goiânia

Leia também: Preso, Carlinhos Cachoeira tenta garantir regalias

André Dusek/AE
Cachoeira ao lado do seu advogado Márcio Thomaz Bastos em depoimento à CPI

Cachoeira é acusado de comandar esquema de corrupção e exploração ilegal de jogos no Centro-Oeste. Ele está preso preventivamente desde dia 29 de fevereiro como resultado da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal.

Veja o especial do iG sobre a CPI do Cachoeira

O habeas corpus para garantir que Cachoeira pudesse ficar calado foi protocolado no TRF1 no final da semana passada. Os advogados queriam resultado semelhante ao que ocorreu na CPI do Cachoeira, em que o empresário se negou a responder às perguntas dos parlamentares.

Entenda a rede de negócios comandada por Cachoeira

O depoimento de Cachoeira e outros réus na Justiça Federal em Goiás é fase fundamental para que o processo avance. As declarações do empresário são aguardadas com ansiedade, pois será a primeira vez em que ele falará sobre o caso. Durante a CPI, Cachoeira chegou a dizer que “ajudaria muito” às investigações, mas somente após sua audiência na Justiça.

Os depoimentos deveriam ter ocorrido no início de junho, mas uma liminar do desembargador Tourinho Neto adiou as oitivas alegando que havia falhas processuais que precisavam ser sanadas. Desde então, o caso passou para as mãos do juiz Alderico Rocha Santos, que marcou novas oitivas no final de julho - amanhã (24) serão ouvidas testemunhas de defesa e de acusação e, na quarta-feira (25), serão ouvidos os réus.

Cachoeira foi transferido para Goiânia na manhã desta segunda-feira e está detido na Superintendência da Polícia Federal na capital goiana. Ele passou parte do dia conversando com advogados e fazendo testes psiquiátricos.

Além do recurso negado no TRF1, o empresário sofreu outro revés no início desta noite no Superior Tribunal de Justiça (STJ). A defesa acionou o tribunal na última quinta-feira (19) insistindo na soltura de Cachoeira. Como o tribunal está de recesso, o processo foi encaminhado ao presidente Ari Pargendler, que trabalha em regime de plantão. Em sua decisão, o ministro destacou que não cabe ao ministro plantonista revisar decisão pendente de julgamento no colegiado.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG