Ministra, que também preside o TSE, publica os contracheques no site do tribunal um dia após o Supremo decidir divulgar os vencimentos de ministros

A presidenta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cármen Lúcia Antunes Rocha, foi a primeira entre os 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a divulgar os vencimentos. Cármen Lúcia divulgou os contracheques que recebe do STF e do TSE no site do tribunal na tarde desta quarta-feira. A divulgação acontece um dia depois de o Supremo decidir dar transparência aos vencimentos de todos os servidores e ministros da mais alta Corte do País, em obediência à Lei de Acesso à Informação, que entrou em vigor no último dia 16 de maio. 

Leia mais: Divulgação de salários abre nova 'guerra' no Judiciário

Saiba mais: Lei de Acesso à Informação mobiliza busca por dados de ex-ministros

Leia também: Dilma abre 'guerra' ao mandar divulgar salários

Presidenta do TSE, a ministra Cármen Lúcia, do STF, foi a primeira a divulgar salário, em obediência à Lei de Acesso à Informação
AE
Presidenta do TSE, a ministra Cármen Lúcia, do STF, foi a primeira a divulgar salário, em obediência à Lei de Acesso à Informação

Na sessão administrativa do STF realizada na última terça-feira para decidir o assunto, a presidenta do TSE chegou a usar a expressão “liberar geral”, destacando sua posição francamente favorável à divulgação dos salários dos ministros da Suprema Corte. De acordo com os contracheques da ministra, seus rendimentos mensais como integrante do STF são de R$ 26.723,13 brutos (R$ 17.877,49 líquidos). Além disso, Cármen Lúcia recebeu, em maio, R$ 6.413,52 como gratificação de presença em cada sessão do TSE (R$ 5.406,33 líquidos).

Leia mais: No primeiro dia da nova lei, sistema tem mais de 700 consultas

Saiba tudo: Conheça os detalhes da Lei de Acesso à Informação

Em um primeiro momento, o documento com o salário da ministra do STF tornou públicos até o endereço de Cármen Lúcia e o número de sua conta bancária. Minutos depois, essa versão foi substituída por outra, com uma tarja preta sobre esses dados, por "questões de segurança", segundo a assessoria do TSE.

Durante a sessão administrativa do STF na última terça, a Corte decidiu que divulgará a folha de pagamento de seus ministros e funcionários, incluindo vencimentos e gratificações, sem nenhum tipo de restrição - a medida vale somente para o STF e não para todo o Judiciário. De acordo com a nota publicada no site do TSE, “a divulgação dos contracheques dos demais ministros da Casa e de seus servidores ainda será discutida em sessão administrativa”.

A divulgação dos salários dos membros do Poder Judiciário para atender à determinação da Lei de Acesso à informação vem gerando polêmica entre os magistrados. Entidades como a Associação dos Juízes Federais (Ajufe) defendem a medida, enquanto outras, como Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), são contrárias. Na última semana, o presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto, se disse favorável à divulgação dos vencimentos. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, também defende a medida.

A Lei de Acesso à Informação entrou em vigor no dia 16 com o objetivo de garantir aos cidadãos brasileiros acesso aos dados oficiais dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Cada órgão público terá um Serviço de Informação ao Cidadão (SIC) para garantir a transparência dos dados públicos.

Salário da ministra Cármen Lúcia no Supremo Tribunal Federal (STF) foi divulgado pelo site do TSE nesta quarta-feira
Reprodução
Salário da ministra Cármen Lúcia no Supremo Tribunal Federal (STF) foi divulgado pelo site do TSE nesta quarta-feira

Rendimentos da ministra como presidenta do TSE, no mês de maio, também foram publicados
Reprodução
Rendimentos da ministra como presidenta do TSE, no mês de maio, também foram publicados

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.