Nos EUA, assentos de trem ficam maiores como seus passageiros

Empresas de NY tem o desafio de se ajustar às necessidades de americanos 'maiores' sem diminuir número de cadeiras

The New York Times |

Um teste informal para medir os bumbuns de duas dezenas de nova-iorquinos, apelidado de "Primeira Mensuração de Bumbuns Americanos", foi feito para ver se eles conseguiriam caber nos novos assentos de metrô que estão sendo feitos pela Kawasaki.

Os assentos tinham cerca de 43 centímetros de largura e o tamanho dos bumbuns das pessoas variou entre 33 e 58 centímetros de largura. A pessoa que ajudou a organizar a contagem do experimento foi Carol Greitzer, que na época trabalhava na Câmara Municipal de Nova York. O ano era 1984.

Leia também: Mulher dá à luz em vagão de trem no centro de Nova York

NYT
Passageiros são vistos em trem de Nova Jersey que passa pela Penn Station em Nova York (03/01)

O problema do traseiro dos americanos ser grande demais para caber nos assentos construídos para acomodá-los certamente não é novidade. Hoje, de poltronas a vasos sanitários podem ser construídos em um tamanho maior para acomodar pessoas com bumbuns mais amplos, e os assentos oferecidos no transporte público não são diferentes.

Cada vez que uma agência decide comprar novos trens ou ônibus, ela deve considerar a possibilidade de ter que modificar o tamanho dos bancos, sabendo que caso decidam ampliá-los, poderiam prejudicar a capacidade de acomodar mais passageiros.

O Departamento de Trânsito de Nova Jersey tem um plano de cinco anos para agregar 100 vagões de trem de dois andares que possuem assentos quase cinco centímetros maiores do que os assentos atuais, a configuração de assentos foi alterada para dois assentos em cada lado do corredor, ao invés de três de um lado e dois do outro.

A Amtrak pretende introduzir "assentos que serão capazes de acomodar os passageiros de maior porte" em 25 novos vagões de jantar a partir do ano que vem, disse o porta-voz Cliff Cole.

Mesmo que as agências de trânsito levem em consideração as necessidades dos passageiros mais pesados, elas nem sempre os priorizam. Nos últimos cinquenta anos, a largura dos assentos do metrô da cidade de Nova York não mudou muito, disse Marcia Ely, diretora assistente do Museu do Trânsito de Nova York. Na verdade, muitas vezes os assentos ocasionalmente diminuíram de tamanho - e foram rejeitados imediatamente.

Joseph Smith, que se aposentou em 2010 como vice-presidente do Departamento de Trânsito de Nova York, e que também supervisionava as operações de ônibus na cidade e em Long Island, disse que o departamento já teve que desistir de planos que tinham para introduzir o ônibus Citaro da fabricante Mercedes-Benz. Ele são populares na Europa, mas nos EUA os motoristas se queixavam de assentos muito pequenos.

No início de 1980, um ônibus protótipo feito pela Hino Motors, do Japão, um possível candidato para rodar pela cidade de Nova York, foi muito criticado devido a largura de seus assentos. "Parecia um fusca cheio de pessoas amarrotadas", disse Howard H. Roberts Jr., ex-presidente do Departamento de Trânsito da Cidade de Nova York. "O ônibus foi rapidamente retirado de serviço."

Os vagões do metrô feitos pela Kawasaki, o modelo R-62, ainda estão circulando na linha 3. Os assentos continuam muito estreitos, observou Greitzer.

"É particularmente irritante durante o inverno", disse ela. "As pessoas ficam muito maiores e mais pesadas do que costumam ser."

A indústria aérea também passou anos tentando equilibrar a necessidade dos passageiros por lugares maiores e mais confortáveis com a sua própria necessidade de colocar o maior número possível de assentos disponíveis dentro de uma aeronave.

"Isto está se tornando um problema muito maior para trens e ônibus", disse Katharine Hunter-Zaworski, diretora do Centro Nacional de Transporte Acessível da Universidade Estadual do Oregon. "Só se consegue construir trens até um certo tamanho."

A Autoridade Portuária de Hudson, que geralmente atende a passageiros que viajam distâncias mais curtas do que aqueles que usam o trem intermunicipal, decidiu não alterar a largura do assento quando substituiu sua frota de 340 vagões no ano passado.

Há expectativas de que as ferrovias Metro-North e Long Island façam uma proposta para a compra de uma nova frota de vagões M-9 no próximo mês. Em seu plano preliminar, as ferrovias pediram assentos duplos que possam lidar com uma carga de 180 quilos, mas eles não mudaram a largura de seus assentos.

Cesar Vergara, um designer industrial que trabalhou com a Metro-North em seus vagões M-8, cujos planos permaneceram os mesmos na nova proposta, disse que os assentos de 147 centímetros de três lugares são projetados de uma maneira que o assento do meio pareça maior.

"Os bancos foram construídos de uma maneira que o assento do meio parece um pouco mais amplo e mais atraente", disse Vergara.

Sandra Lee, 39, uma passageira assídua dos trens e metrôs da cidade, disse que os assentos são muito estreitos e que ela preferia os assentos dos novos vagões de Nova Jersey porque são mais confortável e maiores.

"Acontece que tenho um quadril grande," disse Lee. "Então acabo ocupando uma grande parte do assento."

Por Christine Haughney

    Leia tudo sobre: nova yorkeuatrensmetrô

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG