Concurso de beleza com sobreviventes do Holocausto atrai críticas em Israel

Evento reviveu debate sobre a necessidade de manter viva a memória do Holocausto e a maneira como isso é feito, de modo a não passar imagem de banalização da tragédia

The New York Times |

Estee Lieber se sentiu um pouco tonta quando saiu debaixo do secador de cabelos para o derradeiro desfile, que aconteceu em 28 de junho. "Eu não gosto do meu cabelo liso", ela reclamou. "Não sou moderna, eu gosto dos meus cabelos cacheados."

Turismo: Visitantes estrangeiros vão a Israel desvendar o Holocausto

Esse foi o primeiro concurso de beleza do que Lieber, 74 anos, nascida na Polônia em 1937, participou. Ela tinha 5 anos de idade quando seu pai foi morto pelos nazistas na Alemanha, e 6 quando sua mãe enfrentou o mesmo destino.

EFE
Genia Schwartz-Bardt, 89 anos, se maquia para concurso de beleza em Haifa

Essa foi a primeira vez que todas as 14 finalistas participaram de um concurso de beleza, que foi anunciado como o primeiro concurso disputado por sobreviventes do Holocausto.

Elas usaram sapatos discretos e não desfilaram de biquíni. Suas histórias pessoais tiveram tanta importância quanto seu estilo.

"Tive uma longa luta contra a morte, eu quase morri no campo de concentração", Mania Herman, 79 anos, disse à plateia de cerca de 500 pessoas. "Eu vim para Israel em 1951. Estudei, trabalhei, construí uma família. E escrevi três livros sobre o Holocausto."

Mas o desfile teve o intuito de ser mais do que apenas um momento de bem-estar. Ele tocou em um conflito central que atormenta a sociedade israelense, onde a maioria concorda com a necessidade de manter a memória do Holocausto central e viva, mas nem todos concordam com a maneira como isso é feito.

AFP
Chava Hershkovitz foi a vencedora do concurso de beleza de sobreviventes do Holocausto


Críticas

Alguns criticaram o que chama de banalização da tragédia, um lembrete de que em Israel o Holocausto é tão onipresente quanto controverso.

Shimon Sabag, diretor do Helping Hand for a Friend, o grupo sem fins lucrativos que organizou o evento, disse que o desfile era importante pois "temos de lembrar o que aconteceu, mas também deixar os sobreviventes pensarem no presente."

Mas o evento foi bem recebido por alguns mesmo com apenas dois minutos para conhecer cada participante e sua história. Cada uma falou sobre fome, espancamentos e perdas na Europa, mas também sobre livros escritos e prêmios recebidos em Israel.

Ze'ev Bar-Ilan de Beersheba, um sobrevivente, escreveu uma carta ao jornal Yediot Aharonot condenando o evento como "uma tentativa de se aproveitar e explorar de um dos acontecimentos mais sangrentos da história humana para fins de entretenimento." A dissidência demonstra a luta constante sobre o tratamento dado ao Holocausto.

A coroa e um fim de semana em um hotel cinco estrelas foi para Hava Hershkowitz, 78 anos, que usava uma saia preta até o tornozelo e casaco de mangas compridas.

A participante mais velha tinha 89 anos, a mais jovem 73. Algumas presentes estavam relutantes em participar.

"Eu a incentivei", disse Moshe Lahis sobre sua esposa, com quem está casado há de 62 anos. Bracha tem 82 anos de idade. "Na sua idade, ou até mesmo antigamente, ela sempre foi maravilhosa por dentro e por fora." Bracha ficou em segundo lugar.

AFP
Sobreviventes participam de concurso em Haifa, Israel


*Por Jodi Rudoren

    Leia tudo sobre: israelholocaustojudeussobreviventesconcurso de beleza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG