Jovem vítima de estupro coletivo em ônibus corre risco de vida na Índia

Vítima já passou por cirurgias, mas, segundo médico, caso de estupro é um dos 'mais graves' que já viu. Protestos pedindo punição aos estupradores se espalham por Nova Délhi

BBC |

BBC

Uma jovem de 23 anos vítima de um violento estupro coletivo na capital da Índia, Nova Délhi, já passou por cirurgias, mas continua internada e corre risco de vida, informou a equipe do hospital local onde ela recebe tratamento. Os médicos dizem que a seriedade dos ferimentos decorre do fato de que a estudante de medicina e um amigo que a acompanhava foram atacados e surrados com barras de ferro após a mulher ter sido estuprada.

"Isso foi mais do que um estupro, havia muitos ferimentos. Parece que um objeto muito grosso foi usado repetidamente (pelos responsáveis pelo ataque)", contou um dos médicos, acrescentando que este é um dos casos mais graves de estupro que já viu.

Leia também:  Estupro coletivo em ônibus causa comoção na Índia

AP
Estudantes seguram cartazes pedindo punição aos estupradores de uma estudante durante protesto em Allahabad, Índia


Mas, de acordo com o correspondente da BBC na capital indiana, Soutikl Biswas, há pouca esperança de que o caso motive mudanças concretas na cidade, que vinha contabilizando uma incidência cada vez maior deste tipo de violência. Somente neste ano, mais de 630 casos de estupro já foram registrados em Nova Délhi, conhecida no país como "capital do estupro".

De tempos em tempos, casos como esse mobilizam a opinião pública e ganham espaço em programas de TV, jornais, revistas, além de virarem tema de protestos e discursos de políticos. Mas, pouco tempo depois, o nível de atenção é reduzido e o ciclo de violência e impunidade continua, dizem analistas.

EUA: Candidato ao Senado diz que gravidez pós-estupro é 'vontade de Deus'

África do Sul: Camisinha contra estupro é distribuída na Copa

E um sistema judiciário ineficiente aliado a uma polícia conivente e negligente não parecem ajudar as vítimas, avalia Biswas. "A violência e os abusos de mulheres são grandes problemas em Délhi e no norte da Índia. Uma mentalidade fortemente patriarcal, uma cultura de impunidade entre o poder, um desdém generalizado pela lei, uma força policial em grande parte insensível e uma crescente população de imigrantes sem raízes e ilegais são alguns dos fatores desde cenário. Mas deve haver muitos outros", diz.

"Se você for mulher – a não ser que seja muito rica e privilegiada - há mais chances de enfrentar humilhação e indignidade aqui", acrescenta.

Protestos

O caso de estupro coletivo ocorrido no último domingo causou comoção no país . Cinco pessoas, incluindo o motorista do ônibus no qual ocorreu o ataque, foram presas. A polícia diz estar procurando ainda mais uma pessoa.

Japão: Dois soldados americanos acusados de estupro são indiciados

Tunísia: Após ter sido estuprada, mulher é acusada de 'ato indecente'

Na quarta-feira, um grande protesto em Nova Délhi pedindo punições fortes contra os estupradores foi dispersado pela polícia com jatos de água após manifestantes tentarem derrubar barreiras de metal em frente à casa da chefe de governo da capital, Sheila Dikshit.

Em outras partes da cidade, grupos de estudantes universitários montaram barricadas para protestar contra as autoridades. Em resposta aos protestos, o governo anunciou uma série de medidas para tentar aumentar a segurança para mulheres na cidade.

Pressão

O governo vem sofrendo grande pressão de membros da oposição, de estudantes e de grupos ativistas pelos direitos das mulheres, que acusam as autoridades de não fazer o suficiente para combater os crimes contra as mulheres.

Reino Unido: Polícia britânica pede desculpas por polêmico cartaz sobre estupro

Afeganistão: Caso de estupro coloca polícia local em evidência

Pressionado pela oposição, o ministro do Interior, Sushil Kumar, fez nesta quarta-feira um pronunciamento sobre o caso pela segunda vez em dois dias. Shinde disse que haverá mais patrulhas policiais noturnas e que todos os motoristas de ônibus e seus auxiliares serão submetidos a checagens.

Ele também afirmou que ônibus com janelas escurecidas e cortinas - como o veículo onde ocorreu o estupro no domingo - serão confiscados.

    Leia tudo sobre: índianova délhiestuproestupro coletivoônibus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG