Cafetões driblam polícia em NY com 'bordéis-móveis' e entrega em domicílio

Muitas das prostitutas são vítimas de tráfico humano e são obrigadas a trabalhar em turnos de 12 horas, prestando serviços a pelo menos 25 homens por dia

BBC | - Atualizada às

BBC

selo

BBC
Muitos dos cartões que oferecem prostitutas vêm disfarçados com mensagens singelas

As autoridades de Nova York, nos Estados Unidos, tentam combater os chamados "bordéis móveis", serviços de prostituição oferecidos em caminhões que circulam pela cidade.

O problema tem chamado a atenção das autoridades, em particular no bairro de Queen's, para onde migraram cafetões e prostitutas depois da "limpeza" feita pela polícia em Times Square, em Manhattan.

Holanda:  Autoridades querem limitar prostituição em Amsterdã

Inglaterra:  Estudantes recorrem à prostituição para pagar universidade

Muitas das prostitutas são vítimas de tráfico humano, trazidas ilegalmente do México para Nova York, onde são obrigadas a trabalhar em turnos de 12 horas, prestando serviços a entre 25 e 30 homens por dia.

Os cafetões também oferecem garotas de programa em serviços de "entrega em domicílio". Discretos, os cartões distribuídos nas ruas contêm o número de um cafetão, que fornece os horários e dias livres das prostitutas.

Colômbia:  Repercussão global de escândalo surpreende prostitutas

Irlanda do Norte:  Advogada brasileira é presa por gerenciar bordel

Uma vez agendado, um motorista leva a prostituta até o local combinado. Apelidados de "chica cards", os cartões são camuflados com imagens singelas, como uma pomba branca. Outros parecem cartões de visita.

"Alguns cartões vêm com a foto da mulher pelada. A maioria, porém, vêm com anúncios de chocolates, flores e até de aniversários infantis", disse à BBC a advogada Lori Cohen, do Sactuary of Families, grupo que defende vítimas de tráfico humano.

Muitas das mulheres forçadas a se prostituir acabam sendo assaltadas pelo cafetão ou pelo próprio cliente. "Muitas prostitutas são levadas a casas de festas e depois estupradas por cerca de quinze homens. O motorista recolhe o dinheiro de cada ato", explica Lori.

O Centro Nacional de Pesquisa do Tráfico estima que a atividade ilegal fatura cerca de US$ 5,25 mil (R$ 10,5 mil) por semana, com uma única prostituta.

    Leia tudo sobre: prostituiçãodeliverynova yorkeuacafetão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG