Radicais islâmicos dizem ter decapitado jornalista americano e fazem ameaças

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Conselho Nacional de Segurança não confirmou a autenticidade do material, mas já expressou suas condolências

Desaparecido desde novembro de 2012, o jornalista James Foley teria sido decapitado por militantes do Estado Islâmico, anunciou o grupo radical nesta terça-feira (19). Os rebeldes, cujo objetivo é criar um califado islâmico em partes dos territórios sírio e iraquiano, divulgaram imagens do momento do suposto assassinato nas redes sociais.

Reprodução/Youtube
Radical do EI pouco antes de matar suposto jornalista James Foley, capturado na Síria em 2012

Batizado de "Uma Mensagem à América", o vídeo mostra Foley de joelhos em uma área desértica, vestido com roupas laranjas ao lado de um sujeito inteiramente de preto, da cabeça aos pés, como têm se apresentado os integrantes do EI. Antes de morrer, o suposto jornalista lê uma carta na qual diz que seu "verdadeiro assassino" é a América.

Leia mais:
Estado Islâmico faz ameaça aos EUA: 'Afogaremos todos vocês em sangue'
Gritos de mulheres e crianças enterradas vivas atormentam refugiados no Iraque

"Gostaria de ter tido mais tempo. Gostaria que pudesse ter esperança para ver minha família de novo", resume ele antes de ser decapitado.

O Conselho Nacional de Segurança ainda não confirmou a autenticidade do material, mas afirmou que, caso as imagens sejam de fato do jornalista norte-americano, "expressa suas condolências mais profundas à família e a seus amigos".

Jornalista do GlobalPost, Foley desapareceu no noroeste da Síria, próximo à fronteira com a Turquia, no dia 22 de novembro de 2012 - feriado de Ação de Graças nos EUA -, quando foi forçado a entrar em um veículo por um homem armado. Foi a última vez em que se ouviu falar nele. O periódico ainda não confirmou a identidade do decapitado.

Leia também:
ONU envia ajuda humanitária a meio milhão de fugitivos da guerra no Iraque
Mulheres yazidis estariam sendo obrigadas a casar com extremistas no Iraque

No mesmo vídeo, os radicais do Estado Islâmico ainda mostram outro jornalista, Steven Sotloff, e o ameaçam, dizendo que sua vida está nas mãos do presidente norte-americano, Barack Obama. "Ela depende de sua próxima decisão", diz nas imagens um sujeito mascarado com sotaque britânico. 

*Com agências de notícias

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas