Palestinos entram em choque com forças de Israel após descoberta de corpo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Há suspeita de que corpo de palestino achado em Jerusalém seja retaliação por sequestro e morte de três jovens israelenses

Um adolescente palestino foi sequestrado e morto nesta quarta-feira (2), disseram palestinos, acusando colonos israelenses de lançar um ataque em vingança pela morte de três jovens israelenses. A acusação desatou confrontos com as forças israelenses e exigências do presidente palestino para que Israel leve os assassinos à Justiça.

Ontem: Dezenas de milhares em Israel participam de funeral de jovens sequestrados

Reuters
Palestino usa um estilingue para atirar pedra em direção a polícia israelense durante confrontos em Shuafat, subúrbio árabe de Jerusalém


Grupo nega envolvimento: Israel diz que Hamas 'pagará preço' por morte de jovens

Em um comunicado, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu à polícia que "investigue rapidamente quem está por trás do repulsivo assassinato e seu motivo". O premiê pediu ainda que não "façam justiça com as próprias mãos".

Segunda: Israel encontra corpos que seriam de jovens sequestrados

Poucas horas depois do enterro dos três adolescentes israelenses, cujos corpos foram encontrados 18 dias depois de seu desaparecimento, parentes de Mohammed Abu Khdeir, 17, disseram que ele foi forçado a entrar em um veículo diante de um supermercado em Shuafat, subúrbio de Jerusalém Oriental, na noite de terça. Um corpo carbonizado foi encontrado pouco depois em um bosque.

O porta-voz da polícia israelense, Micky Rosenfeld, disse que a polícia recebeu o relato nesta quarta de que um adolescente palestino foi "violentamente puxado para dentro de um veículo" em uma área de Jerusalém Oriental e, que uma hora mais tarde, um corpo foi encontrado em uma parte separada da cidade.

Confrontos

Centenas de palestinos atiraram pedras contra a polícia israelense, que respondeu com gás lacrimogêneo em confrontos que eclodiram nesta quarta. As tensões entre Israel e os palestinos se acirraram após os corpos dos três jovens israelenses terem sido encontrados na Cisjordânia.

Israel acusou o Hamas de sequestrar e matar os três adolescentes e prendeu centenas de seus membros em toda a Cisjordânia. O lançamento de foguetes a partir da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, aumentou ainda mais as tensões com a resposta de ataques aéreos israelenses.

A polícia também fechou para visitas um local sagrado na Cidade Velha de Jerusalém. Autoridades israelenses pediram calma enquanto a polícia investiga os incidentes, na esperança de conter a violência.

Dia 27: Israel aponta dois militantes do Hamas como principais suspeitos em sequestro

Iluminador do Exército de Israel explode sobre a fronteira entre Israel e Gaza (7/7). Foto: APAções contra Gaza ocorreram em retaliação a ataques com foguetes contra Israel no domingo (7/7). Foto: AFPTariq Abu Khdeir, cidadão dos EUA que parentes dizem ter sido espancado e preso por policiais israelenses durante confrontos desatados pela morte de Mohammed Abu Khdeir (6/7). Foto: APMilitantes palestinos seguram armas durante coletiva na cidade de Gaza (5/7). Foto: ReutersSuha, mãe de Mohammed Abu Khudair, mostra foto do filho no celular em sua casa em Shuafat, subúrbio árabe de Jerusalém (2/7). Foto: ReutersPalestino usa um estilingue para atirar  pedra em direção à polícia israelense durante confrontos em Shuafat, subúrbio árabe de Jerusalém (2/7). Foto: ReutersPrimeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu (D), é visto perto de pais de adolescentes encontrados mortos na Cisjordânia (1/7). Foto: APIsraelense chora durante funeral de três adolescentes israelenses encontrados mortos na Cisjordânia (1/7). Foto: APPalestino inspeciona danos causados na casa de Amer Abu Aisheh, um dos dois palestinos vistos por Israel como suspeitos pelo sequestro e morte de jovens, na Cisjordânia (1/7). Foto: APIsraelenses seguram bandeira com as fotos de três jovens israelenses que desapareceram na Cisjordânia em 12 de junho (29/6). Foto: APPalestinos mascarados simpatizantes do Hamas simulam a prisão de soldados israelenses durante ação em apoio aos palestinos na Cisjordânia (20/6). Foto: ReutersPalestinos se preparam para lançar pedras durante confrontos com soldados israelenses em Jenin, Cisjordânia (19/6)
. Foto: APParentes de palestino morto em ação de Israel choram na casa da família no campo de refugiados de Jalazoun, nos arredores de Ramallah, Cisjordânia (16/6). Foto: APPalestinos carregam corpo de jovem morto em operação de Israel no campo de refugiados de Jalazoun, nos arredores de Ramallah, Cisjordânia (16/6). Foto: APIsraelense chora durante preces em sinagoga por adolescentes desaparecidos na Cisjordânia (15/6). Foto: APFamília palestina observa soldados israelenses durante operação militar de busca por três adolescentes desaparecidos perto de Hebron, Cisjordânia (15/6). Foto: APSoldados israelenses prendem palestino na cidade de Hebron, Cisjordânia, durante buscas por adolescentes desaparecidos (14/6). Foto: APSoldados israelenses se posicionam perto da cidade cisjordana de Hebron enquanto buscam três adolescentes desaparecidos (13/6) . Foto: AP

Abril: Hamas e Fatah anunciam acordo de reconciliação e governo de unidade

"Tudo está sendo examinado. Há muitas possibilidades. Há uma possibilidade criminal, bem como política", disse o ministro da Segurança Pública de Israel, Yitzhak Aharonovitch, à Rádio Israel. "Estou dizendo a todos para esperar com paciência."

Nabil Abu Rdeneh, porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas, disse que Israel estava sendo responsabilizado pela morte e pediu para "encontrar os assassinos e responsabilizá-los", segundo a agência oficial de notícias palestina Wafa.

Funeral

Na terça, milhares assistiram aos funerais de Eyal Yifrah, 19, Gilad Shaar, 16, e Naftali Fraenkel, 16, os três seminaristas judeus que desapareceram entre os dias 12 e 13 e cujos corpos foram encontrados na Cisjordânia depois de uma busca de duas semanas e de uma forte repressão contra o Hamas.

Em comunicado logo após os corpos terem sido encontrados, o premiê israelense jurou vingança. “Eles foram sequestrados e assassinados a sangue frio por animais”, disse. "O Hamas é responsável, e o Hamas pagará”, afirmou. O Hamas, porém, negou as alegações de Israel.

Na praça de Tel Aviv, onde o premiê Yitzhak Rabin foi assassinado em 1995, dezenas de israelenses acenderam velas em homenagem aos adolescentes na segunda-feira, um dia depois que milhares compareceram a uma vigília por eles no mesmo local.

O Hamas foi abalado pela prisão de dezenas dos seus ativistas durante a operação militar israelense realizada na Cisjordânia nas últimas três semanas para localizar os jovens, que Israel disse também ter almejado enfraquecer o movimento militante. Até seis palestinos morreram em resultado da batida israelense, disseram moradores da região.

Os sequestros perto de um assentamento da Cisjordânia chocaram os israelenses, que cerraram fileiras com as famílias das vítimas. “Em nome do povo de Israel, desejo dizer às suas queridas famílias... que nossos corações estão em pedaços, a nação inteira chora com vocês”, declarou Netanyahu.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: israeloriente mediocisjordaniahamasrabinnetanyahuyifrah

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas