Obama pede ação do mundo para honrar legado de Mandela, o 'gigante da História'

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Líder dos EUA conclama mundo a reverenciar ícone antiapartheid pelo combate à desigualdade e à injustiça

Descrevendo Nelson Mandela como "gigante da história" e o "último grande libertador do século 20", o presidente dos EUA, Barack Obama, conclamou nesta terça-feira (10) o mundo a reverenciar o legado do ex-presidente sul-africano combatendo a desigualdade, a pobreza, a injustiça e o racismo. Mandela morreu em 5 de dezembro aos 95 anos.

Conheça a nova home do Último Segundo

Dilma: Luta de Mandela cruzou fronteiras da África do Sul e inspirou o mundo

AP
Imagem de Barack Obama é projetada em telão durante discurso em Johanesburgo

Cerimônia: Líderes mundiais e sul-africanos se reúnem em honra a Mandela

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre a morte de Mandela

Em um discurso que recebeu vários aplausos e uma ovação de pé durante uma cerimônia em Johanesburgo em homenagem ao ex-presidente, Obama conclamou as pessoas a aplicar as lições de Mandela, que saiu da prisão após 27 anos sob um regime racista, aproximou-se de seus inimigos quando finalmente caminhou para a liberdade e fomentou uma nova era de persão e reconciliação na África do Sul.

Ícone antiapartheid: Morre aos 95 anos Nelson Mandela

Galeria de fotos: Veja imagens de Mandela, ex-presidente da África do Sul

"Nós também temos de agir em nome da justiça. Nós também devemos agir em nome da paz", disse Obama, que, como Mandela, tornou-se o primeiro presidente negro de seu país. Obama contou que, quando era um estudante, Mandela "me despertou para as minhas responsabilidades - com outros, comigo mesmo - e me pôs no curso de uma jornada improvável que me trouxe aqui hoje".

Obama relembrou que, "ao redor do mundo ainda hoje, homens e mulheres ainda estão aprisionados por suas crenças políticas; e ainda são perseguidos por sua aparência, suas crenças ou pela forma como amam".

Infográfico: Nelson Mandela e a África do Sul

Presidente dos EUA, Barack Obama (D), tira selfie com premiês da Dinamarca, Helle Thorning Schmidt (C), e do Reino Unido, David Cameron , em cerimônia por Mandela. Foto: Getty ImagesMenino com o rosto pintado durante tributo ao ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela. Foto: APA presidente Dilma Rousseff chega ao Estádio FNB. Ela foi uma das oradoras da cerimônia a Nelson Mandela. Foto: ReutersO presidente dos EUA, Barack Obama, desembarca ao lado de Michelle Obama. Foto: APRosto de Nelson Mandela é visto em telão durante serviço em sua memória no Estádio FNB, em Johanesburgo. Foto: APGraça Machel, viúva de Nelson Mandela, durante a cerimônia de homenagem ao ícone antiapartheid
. Foto: APA atriz sul-africana Charlize Theron e o cantor Bono são vistos no estádio. Foto: APImagem do ex-presidente Nelson Mandela, que morreu aos 95 anos, é vista. Sob chuva, milhares de sul-africanos acompanharam as cerimônias. Foto: APBarack Obama e sua esposa, Michelle Obama, olham folheto oficial durante a cerimônia de homenagem a Mandela. Foto: ReutersPresidente Dilma Rousseff acena ao chegar a cerimônia de memória a Nelson Mandela. Ela foi uma das oradoras da homenagem. Foto: APApesar da chuva, milhares de sul-africanos foram ao estádio homenagear o ícone antiapartheid. Foto: ReutersDilma observa o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, cumprimentar o presidente cubano, Raul Castro . Foto: ReutersDurante a cerimônia, presidente Obama se encontra com o presidente cubano, Raúl Castro, e aperta sua mão no Estádio FNB em Soweto. Foto: APSul-africanos acompanham discurso de Obama. O presidente dos Estados Unidos disse que Nelson Mandela foi um "gigante da história" e o "último grande libertador do século". Foto: APA ex-secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton cumprimenta o ex-primeiro-ministro britânico John Major . Foto: APObama beija a viúva de Nelson Mandela, Graça Machel, durante a cerimônia em memória ao ex- memorial para o ex-presidente. Foto: APMulher segura imagem de Nelson Mandela e se emociona durante tributo ao ícone antiapartheid. Foto: APPresidente sul-africano, Jacob Zuma, fará o principal discurso da cerimônia. Ele foi vaiado pelos presentes. Foto: ReutersO ex-primeiro-ministro britânico John Major, centro, cumprimenta o ex-presidente dos EUA, George W. Bush. Mais a frente, o também ex-presidente dos EUA, Bill Clinton. Foto: APSul-africanas abraçam imagem de Nelson Mandela durante uma cerimônia em Johanesburgo em homenagem ao ex-presidente. Foto: ReutersA rainha Rania, da Jordânia, também esteve presente na cerimônia que lembrou o ex-presidente Nelson Mandela. Foto: ReutersHomem segura foto de Mandela ao entrar no estádio. Foto: APPresidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, chega ao estádio para acompanhar o tributo. Foto: ReutersSecretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o presidente sul-africano, Jacob Zuma, acompanha homenagem. Foto: APDurante a cerimônia de homenagem a Nelson Mandela, mulher lê um jornal. Milhares acompanharam tribuno. Foto: ReutersA modelo Naomi Campbell chega ao Estádio FNB em Soweto, onde o ex-presidente Nelson Mandela receberá homenagens que fazem parte do seu funeral. Foto: APO ex-presidente da França Nicolas Sarkozy e seu sucessor, François Hollande, participam da cerimônia. Na foto, acima, primeiro-ministro italiano Enrico Letta e sua esposa. Foto: ReutersSul-Africanos aguardam em portão para participar de homenagem ao ex-presidente Nelson Mandela, que morreu aos 95 anos. Foto: ReutersSob chuva, grupo chega para acompanhar homenagem a Mandela. Foto: APMulheres posam ao chegar no Estádio Soccer City . Foto: APPresidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi um dos oradores da cerimônia. Foto: APMultidão começa a lotar o Estádio FNB (Soccer City) em Soweto. A chuva que caia  afastou muitos da cerimônia. Foto: ReutersPresidente da Índia, Pranab Mukherjee, chega ao evento em memória de Nelson Mandela. Foto: AP
Winnie Mandela, ex-mulher do ex-presidente, é vista no Estádio FNB (Soccer City) em Soweto, onde acontecem as homenagens
. Foto: Reuters

Cerimônia por Mandela: Obama troca aperto de mão com presidente de Cuba

Entre os quase cem chefes de Estado e de governo que compareceram à cerimônia, estavam alguns de países como Cuba, que não realiza eleições totalmente democráticas. Antes de discursar, Obama trocou um aperto de mão com o presidente cubano, Raúl Castro, destacando uma recente melhora nas relações entre os dois países.

Em seu pronunciamento, o presidente americano afirmou que Mandela ganhou seu lugar na história pela luta, a persistência, a fé, comparando-o a Mahatma Gandhi, Martin Luther King Jr. e Abraham Lincoln.

Leia também:

Morte de Mandela entristece palestinos e constrange israelenses

Pelo esporte, Mandela uniu negros e brancos na África do Sul

A presidente Dilma Rousseff discursou logo após Obama. Em seu pronunciamento, a líder brasileira afirmou que luta de Mandela contra o apartheid (regime de segregação racial) cruzou as fronteiras da África do Sul e inspirou o mundo.

Assista a momentos marcantes da vida de Mandela:

Multidões convergiram para o Estádio FNB (Soccer City) em Soweto, subúrbio que foi um reduto de apoio à luta contra o apartheid que Mandela incorporou enquanto era um prisioneiro do regime de dominação branca e então durante um frágil transição para eleições multirraciais que o tornaram presidente em 1994.

Desafio: Mandela mudou economia da África do Sul, mas desigualdade avança

Apesar de uma chuva contínua, a atmosfera dentro do estádio era de celebração, com muitas pessoas dançando, soprando vuvuzelas e cantando músicas da luta antiapartheid. Muitos seguravam cartazes em honra de "Madiba", nome do clã de Mandela, ou apenas seu retrato. Outros estavam cobertos com materiais com sua face ou as cores verde, amarela, vermelha e azul da bandeira sul-africana.

Força das palavras: Frases de Mandela que marcaram o mundo

Esta terça-feira marca o 20º aniversário do dia em que Mandela e o último presidente branco da África do Sul, F.W. de Klerk, receberam o Prêmio Nobel da Paz por seus esforços para trazer paz ao país. A data também coincide com o Dia dos Direitos Humanos da ONU.

Na época, Mandela disse em seu discurso de aceitação: "Vivemos com a esperança de que, enquanto ela se debate para se refazer, a África do Sul será como um microcosmo do novo mundo que deseja nascer."

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: morte de mandelamandelaáfrica do sulobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas