Número de reféns mortos pode aumentar, diz governo da Argélia

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Pelo menos 23 morreram e outros estão desaparecidos depois de operação do exército. Ministro afirmou que sequestradores são de seis nacionalidades diferentes

Reuters
Imagem de uma TV argelina mostra reféns rendidos por combatentes islâmicos.

O governo da Argélia afirmou neste domingo (20) que pode aumentar o número de reféns mortos depois de quatro dias de certo e ataques de forças argelinas a uma refinaria de gás no deserto do Saara, invadida por extremistas islâmicos.

Em uma entrevista para uma rádio argelina, o ministro das comunicações argelino, Mohammed Said, afirmou que o número de mortos "infelizmente, vai ser revisado para cima". Um oficial argelino afirmou, segundo a AP, que mais 25 corpos foram encontrados neste domingo no local, mas sem precisar se todos eram de reféns ou se havia militantes entre os mortos. 

Quarta: Grupo ligado à Al-Qaeda faz estrangeiros reféns em usina de gás na Argélia

Quinta: Argélia lança operação para resgatar reféns de militantes em campo de gás

Sexta: Crise de reféns deixa dezenas de estrangeiros desaparecidos na Argélia

Sábado: Argélia confirma morte de 23 reféns e 32 terroristas em refinaria de gás

Ele acrescentou que os militantes responsáveis pelo sequestro são de seis nacionalidades diferentes, "países árabes e africanos e de países não africanos".

Até o momento, o número de reféns mortos é de 23. Britânicos, americanos, noruegueses e japoneses estão entre os desaparecidos depois do cerco à refinaria no sul da Argélia, que foi encerrado por um ataque do Exército argelino no sábado.

O governo da Argélia afirma que os soldados mataram 32 extremistas e as autoridades informaram que o Exército lançou o ataque final depois que os militantes islâmicos começaram a mater os reféns estrangeiros.

Neste domingo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, confirmou que três britânicos foram mortos durante o sequestro. Outros três continuam desaparecidos.

Segundo o ministro do Exterior da Grã-Bretanha, William Hague, as autoridades do país estão 'trabalhando duro" para localizar os desaparecidos.

Más notícias
O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que o governo argelino poderá dar más notícias a respeito dos reféns.

"Segundo o que ouvimos do governo argelino, existem informações terríveis sobre nossos cidadãos", afirmou.

Abe pediu ao primeiro-ministro argelino, Abdelmalek Sellal, medidas para acelerar a confirmação da situação dos japoneses.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, afirmou que "tudo parece indicar" que um cidadão colombiano morador da Grã-Bretanha está entre os reféns mortos. Mas, de acordo com Santos, a informação sobre a situação de Carlos Estrada, que trabalhava para a BP, "não é 100%".

Além de Estrada, dois cidadãos da Malásia e cinco noruegueses ainda estão desaparecidos.

O campo de gás de Tigatourine, no leste do país, é operado pela britânica BP, pela norueguesa Statoil e pela petroleira estatal argelina.

Culpados
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, responsabilizou os "terroristas" pela morte dos reféns na refinaria.

"Este ataque é outro lembrete da ameaça da Al-Qaeda e outros grupos extremistas violentos no norte da África", disse Obama no sábado.

"Vamos continuar trabalhando com todos nossos parceiros para combater a calamidade do terrorismo na região."

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que os militantes realizaram um "ataque cruel e covarde". Ele admitiu que as reação das autoridades argelinas ao sequestro foi criticada, mas acrescentou que era "extrememamente difícil responder (a este sequestro) e acertar em todos os aspectos".

A agência de notícias estatal APS afirmou, citando o Ministério do Interior da Argélia, que 685 funcionários argelinos foram libertados. Dos 132 trabalhadores estrangeiros do complexo, 107 teriam sido resgatados.

Os extremistas seriam liderados por Abdul Rahman al-Nigeri, segundo a agência de notícias ANI, da Mauritânia.

Eles afirmaram ter agido em retaliação à intervenção militar francesa no Mali.

Com BBC e AP

Leia tudo sobre: argéliaterrorismoain amenas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas