Milhares de manifestantes tomaram as ruas de Pequim em ato raramente visto no país

Milhares de chineses protestaram contra as iniciativas do governo do Japão na polêmica sobre um grupo de ilhas disputadas pelas duas nações. Em ato raramente visto devido a forte repreesão do Partido Comunista, manifestantes jogaram pedras, ovos e garrafas na embaixada japonesa em Pequim, neste sábado. O caso estremeceu ainda mais a já turbulenta relação diplomática entre ambos.

Manifestantes queimam a bandeira do Japão durante protesto em Pequim
AP
Manifestantes queimam a bandeira do Japão durante protesto em Pequim

Em resposta, cerca de 100 japoneses se reuniram nas ruas de Tóquio para criticar o governo da China e da Coreia do Sul, também envolvida na questão. Embora em menor quantidade, os manifestantes levavam cartazes que incitavam a guerra.

Durante a marcha, observada pelo exército, jovens entoavam gritos contra o imperialismo do Japão e pediam medidas enérgicas do governo chinês. Outro protestos foram registrados em cidades menores, alguns com registros de feridos e vários detidos.

Em declaração divulgada pela imprensa estatal, um porta-voz do Partido Comunista afirmou que o país irá garantir a segurança da população japonesa que moram no país.

As tensões aumentaram na sexta-feira, quando a China enviou dois barcos de patrulha aos arredores de ilhas disputadas com o Japão, informou a imprensa oficial chinesa. O governo comprou as ilhas de proprietários particulares.

"Os militares chineses expressam sua resoluta oposição e seu forte protesto a isso", disse um porta-voz no site do Ministério da Defesa, em relação à compra das ilhas. "O governo e os militares chineses são irredutíveis em sua determinação e irão defender a soberania do território nacional. Estamos acompanhando de perto o desenrolar dos fatos, e nos reservamos o poder de adotar medidas correspondentes."

Disputa

Uma flotilha japonesa com cerca de 20 barcos atracou junto a um grupo de ilhas disputadas pela China, no mais recente episódio de um impasse crescente entre os dois países sobre o tema. As ilhas, chamadas de Senkaku pelos japoneses e de Diaoyu pelos chineses, estão localizadas no Mar da China Oriental e não são habitadas. Elas são controladas pelo Japão, mas disputadas pela China e também por Taiwan.

O governo japonês desembolsou 2,05 bilhões de ienes (US$ 26,18 milhões) para adquirir as três ilhas desabitadas no mar do Leste da China, até agora cedidas em comodato pelo governo a uma família japonesa que detém sua posse desde o começo da década de 1970. Tóquio disse que sua intenção com essa compra é pacífica.

Com AP e CNN

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.