Desgastante, primeiro dia de julgamento do caso Bruno é pouco produtivo

Primeiro dia do júri popular sobre o sequestro e morte de Eliza Samudio foi marcado por atrasos e embates entre os advogados e a juíza. Apenas uma testemunha foi ouvida

Carolina Garcia - enviada a Contagem (MG) | - Atualizada às

Após quase oito horas de trabalhos dentro do plenário , juíza, jurados, réus, equipes de defesa e acusação não escondiam o cansaço no Fórum de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Atrasos de testemunhas, ausência de jurados e embates entre os defensores e a juíza Marixa Fabiane Lopes causaram um atraso de três horas no início da sessão. Marcada para começar às 9h, a audiência foi iniciada às 12h com os questionamentos das partes.

Saiba tudo sobre o julgamento

Nos bastidores do julgamento, entre juristas e advogados presentes, o destaque do dia foi o pouco aproveitamento neste primeiro dia. No período da manhã, o advogado Ércio Quaresma, defensor do ex-policial e réu Bola, afirmou que havia “cerceamento de defesa” e teve a palavra cassada pela magistrada 20 minutos após o início da sua fala. Diante disso, todos os defensores ameaçaram boicote e que poderiam abandonar o plenário .

A promessa foi cumprida apenas pela defesa de Bola , que com a ação, conseguiu desmembrar o julgamento. O ex-policial tem o prazo de 10 dias para nomear outro advogado e será julgado em outra data. Todo o júri é acompanhado pelos representantes da Ordem de Advogados do Brasil (OAB) que mostraram certo descontentamento com a postura de Quaresma que, ao abandonar o plenário e desejar boa sorte aos amigos, voltava constantemente ao plenário para interromper os trabalhos.

Diante do impasse das defesas, a juíza chamou os réus ao salão do júri e perguntou a cada um se concordavam em ser julgados nesta segunda-feira. Os quatro acusados concordaram, inclusive Macarrão, que teve sua defesa ameaçada mais cedo . Após 20 minutos em plenário, Macarrão pediu para sair pois não se sentia disposto devido ao calor.

Fora do Fórum: Julgamento atrai curiosos, comerciantes e vira palco de advogados em Contagem

Júri e depoimento

O sorteio dentro do Conselho de Sentença só veio a ser realizado depois do período de questionamentos da defesa, por volta das 16h30. Foram então selecionados seis mulheres e um homem . Todas as defesas podiam vetar ou aceitar ao jurado selecionado.

Após a seleção, foi dado um momento para todos ligarem para famílias para avisar que estariam incomunicáveis durante todo o decorrer do julgamento, que pode durar duas semanas. Uma das selecionadas chorou. Nesse momento, a juíza citou: “eu também não gosto de ficar longe dos meus filhos amados”.

Ao todo, 30 pessoas devem ser ouvidas no processo – cinco de acusação e 25 de defesa. Porém, devido aos atrasos, somente Cleiton Gonçalves, conhecido por ser o ex-motorista de Bruno, foi ouvido . Depois de um longo depoimento de 2h30, a juíza resolveu dar fim aos trabalhos e retomar a audiência nesta terça-feira, às 9h .

    Leia tudo sobre: caso brunoeliza samudiojulgamentogoleiro bruno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG