Categoria está paralisada desde o dia 13 de março. Secretaria lamenta greve e diz que docentes tiveram 45% de reajuste

Em greve desde o dia 13 de março, professores da rede estadual de São Paulo decidiram manter a paralisação. A resolução foi tomada durante assembleia da Apeoesp no vão do Masp na tarde desta sexta-feira (17).

Professores da rede estadual de São Paulo fazem assembleia no Masp
Roberto Parizotti/ CUT
Professores da rede estadual de São Paulo fazem assembleia no Masp

De acordo com a CET, a Avenida Paulista estava fechada nos dois sentidos na altura do Masp por conta da manifestação às 16h30. Os professores e representantes de outras categorias do funcionalismo público de São Paulo devem sair da avenida em passeata em direção à Avenida 23 de maio e seguir para a Praça da República. 

A categoria pede reajuste de 75% para o salário dos professores, que hoje parte de R$ 2.145 para 40 horas semanais, entre outras pautas. 

De acordo com a PM, há 3.000 pessoas no local. No microfone, a presidente da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, falou em 60 mil manifestantes.

Durante a assembleia, os professores, que são afiliados à CUT, criticaram a lei da terceirização, em pauta no Congresso Nacional, e entoaram gritos de "traidor" para deputado federal Paulinho da Força Sindical (SOD).

No próximo dia 23, haverá uma reunião entre representantes do sindicato e o secretário de Educação em que será discutida a greve. 

O sindicato anunciou que haverá mais uma assembleia na próxima sexta-feira (24), na Praça da República --em frente à Secretaria Estadual de Educação. 

Nesta semana, cerca de 300 professores ocuparam a Assembleia Legislativa de São Paulo e passaram a madrugada de quarta para quinta acampados nas dependências da Alesp, na região do Ibirapuera, na zona sul de São Paulo.

Outro lado

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informou, por meio de nota, que continua disposta a negociar com o sindicato e "lamenta a insistência da entidade em uma greve partidária, desnecessária e com baixa adesão".

Segundo calculos do governo, 91% dos professores não aderiram à greve. De acordo com os últimos calculos do sindicato, 64% dos professores do Estado estão em greve. 

A pasta informou ainda que deu 45% de aumento para os professores nos últimos quatro anos, "sendo 21% de aumento real", informa nota. "Além disso, o Governo de São Paulo decidiu pagar neste ano R$ 1 bilhão em bônus por merecimento, o maior da história", completa.

Confira fotos dos protestos dos professores de SP


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.