"Vai Que Dá Certo" reúne humoristas do momento em comédia de erros

Por Luísa Pécora , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Com globais e integrantes do fênomeno Porta dos Fundos, longa acompanha grupo de amigos imaturos que tenta cometer um assalto para faturar uma bolada

Mesmo quem torce o nariz para as comédias populares que marcam o atual momento do cinema nacional pode se sentir tentado a dar uma chance a "Vai Que Dá Certo", que estreia nesta sexta-feira (22). O motivo principal é que, desta vez, o habitual elenco global ganha o reforço de Fábio Porchat e Gregório Duvivier, dois dos comediantes por trás do enorme sucesso do site de vídeos Porta dos Fundos (são 253 mil likes no Facebook e mais de 160 milhões de views no YouTube).

Siga o iG Cultura no Twitter

Imagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Vai Que Dá Certo'. Foto: Divulgação

"Vai Que Dá Certo" tem tudo para ser o mais novo sucesso e possivelmente a nova franquia do cinema nacional, nos moldes de "Se Eu Fosse Você" e "De Pernas pro Ar". Como principal trunfo, um elenco que reúne alguns dos principais comediantes do momento, integrantes de uma geração que escreve, dirige, produz e atua na televisão, no teatro e no cinema.

Vídeo exclusivo: Gregório Duvivier fala sobre o filme 'Vai Que Dá Certo

Além de Porchat e Duvivier, estão no filme Bruno Mazzeo, dos sucessos "Cilada.com" e "E Aí...Comeu?", Lúcio Mauro Filho, de "A Grande Família", Felipe Abib, que fez carreira no teatro e na publicidade, além dos globais Danton Mello, em sua primeira comédia no cinema, e Natália Lage.

Porchat é a espinha dorsal do filme, sendo responsável por 90% dos diálogos do roteiro que assina com o diretor Maurício Farias (de "A Grande Família" e "Tapas e Beijos"). Sua participação veio na etapa final do projeto, que começou em 1999, quando Farias ouviu a história real do motorista de um conhecido que fora preso por um assalto.

Leia também: Cinema nacional quer diversidade para brigar com blockbusters

“Fiquei pensando no que faz uma pessoa com trabalho fixo e a vida aparentemente avançando dentro da honestidade tomar a decisão de colocar tudo em risco”, afirmou o diretor, em entrevista coletiva no 4º Encontro do Cinema Nacional, realizado no início do mês em Florianópolis (SC).

O objetivo de Farias era criar um filme divertido, mas permeado por uma questão séria: o quanto cada pessoa relativiza o que é certo e errado na vida cotidiana, mesmo em ações simples como atravessar um semáforo vermelho na madrugada. Sendo assim, "Vai Que Dá Certo" acompanha um grupo de amigos de escola que, aos 30 anos, se sentem fracassados e decidem roubar um carro-forte para faturar uma bolada e mudar de vida. 

Divulgação
Imagem do filme 'Vai Que Dá Certo'

O roteiro segue a estrutura de comédia de erros, com uma série de eventos desafortunados complicando a história seguidas vezes e deixando os personagens cada vez mais longe da solução de seus problemas. Entre os grandes expoentes do gênero estão os irmãos Joel e Ethan Coen, citados como referência por Farias, e que inserem uma inteligência e humor negro em filmes como "Fargo" e "Onde os Fracos não têm Vez" que não existem em "Vai Que Dá Certo".

Leia também: Encontro do Cinema Nacional defende parcerias e diversidade

Trata-se, ao contrário, de um filme bobo, que nunca alcança o nível de reflexão buscado pelo diretor e cuja graça está justamente na completa imaturidade dos personagens. Bebendo na fonte de "Se Beber Não Case" e "A Ressaca", "Vai Que Dá Certo" mostra marmanjos que passam o dia jogando videogame, fazendo gracinha um com o outro no intervalo do futebol e discutindo questões tão relevantes quanto: "Quem come mais mulher: o Batman ou o James Bond?".

Tudo isso em uma cidade não identificada do Estado de São Paulo (o longa foi rodado em Paulínia e Campinas), o que resulta em um desfile de fortes sotaques paulistanos feitos por atores carioquérrimos. Caricatos, claro.

Há, porém, que se fazer um grande elogio: mesmo as piadas ruins não caem na grosseria ou na vulgaridade, o que é suficiente para colocar "Vai Que Dá Certo" acima da média das comédias nacionais. Em outras palavras: é bobo, mas não ofende.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas