Walcyr Carrasco: "Sei que minha peça tem profunda ligação com o movimento LGBT"

Por Susan Souza , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Espetáculo do autor da novela "Amor à Vida" mostra história de taxista machista que também vive como michê

Nelson Aguilar/dificuldade
Dionísio Neto em "Desamor", de Walcyr Carrasco

Experiente em narrar o cotidiano com bom-humor para apreciação na TV, Walcyr Carrasco trabalha no teatro a faceta mais "alternativa" de sua dramaturgia. O realismo do submundo brasileiro é retratado em textos crus nas peças "Êxtase", "Seios" e na mais recente delas, "Desamor".

No texto de "Desamor", que terá curtíssima temporada nos dias 16, 23 e 30 de agosto no estúdio Terra Forte, em São Paulo, Walcyr leva a plateia para dentro de um sujo boteco paulistano. O ator Dionísio Neto conduz a trama que conta a história de um taxista machista que também ganha a vida como michê.

Amores reprimidos

Formas menos convencionais do amor e os sintomas da autorrepressão são abordados. "É um estímulo e um desafio escrever uma peça underground intensa como 'Desamor'. Não gosto de rotular temáticas, sei que essa peça tem uma profunda e importante ligação com o movimento LGBT, mas ela fala principalmente sobre a capacidade de amar reprimida dentro de nós mesmos", explica Walcyr Carrasco em entrevista ao iG.

Nelson Aguilar/divulgação
Cena de "Desamor", de Walcyr Carrasco

Em um monólogo regado a cerveja quente e lembranças de seu último cliente, o taxista durão repensa a vida e os valores que a ela agregou, ao mesmo tempo em que questiona preconceitos, religião e sexo.

Histórias densas

"Gosto de escrever histórias mais dramáticas. É sempre muito intenso escrever soltando a emoção. Exige um maravilhoso mergulho dentro de mim mesmo", explica, sobre o interesse em dramas urbanos.

Quanto ao ritmo dos textos, seja para televisão ou teatro, o dramaturgo nega que tenha uma estratégia específica para cada caso. "Escrevo intuitivamente e cada ideia já me surge com a cara que vai ter, seja um livro infantil ou uma peça transgressora."

"Amor à Vida"

Walcyr Carrasco está no ar com a novela "Amor à Vida", que também traz a temática LGBT em um de seus núcleos. O personagem Félix, interpretado pelo ator Mateus Solano, é homossexual e vive um conflito familiar com César, o pai intolerante interpretado por Antonio Fagundes.

O autor não quis responder se o destino trágico da personagem Nicole, vivida por Marina Ruy Barbosa, estava predestinado ou havia sido reforçado por causa do incidente com os cabelos, que não puderam ser raspados pela atriz.

Walcyr começou a escrever telenovelas para o SBT, onde estreou com "Cortina de Vidro" (1989). Para a Rede Globo, trabalhou como autor principal de "O Cravo e a Rosa" (2000), "Chocolate com Pimenta" (2003), "Caras e Bocas" (2009) entre outras.

"Desamor"
Estúdio Terra Forte (r. Capote Valente, 703, São Paulo)
Dias 16, 23 e 30 de agosto, às 20hs
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia), somente em dinheiro

Leia tudo sobre: Walcyr CarrascopeçaLGBTDionísio Netoteatroigspigay

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas