Presidente da Chevron diz que empresa subestimou pressão em reservatório

George Buck aponta erro de cálculo como causa do vazamento no poço de exploração do Campo de Frade, na Bacia de Campos

iG São Paulo |

ANP
Técnicos do Ibama e da ANP sobrevoaram região afetada pelo vazamento, na Bacia de Campos (18/11)
O presidente da Chevron Brasil, George Buck, apontou um erro de cálculo como a principal causa do vazamento no poço de exploração do Campo de Frade, na Bacia de Campos. Segundo o executivo, a lama injetada no poço durante a perfuração não foi suficiente para segurar o fluxo do petróleo encontrado no reservatório.

"Subestimamos a pressão no reservatório. Era mais alta do que esperávamos. O peso da lama foi programado para outra pressão", afirmou Buck, que evitou falar em “falha humana” e disse que o cálculo é feito a partir de um "complexo modelo matemático".

O executivo confirmou, no entanto, que o vazamento ocorreu num trecho do poço sem revestimento, um pouco abaixo da sapata, localizada a 567 metros de profundidade do subsolo marinho. A extensão do poço a partir do subsolo é de 2.279 metros. A profundidade total, do espelho d'água até o final, é de 3.329 metros.

Saiba mais:
O tamanho do estrago: Chevron estima vazamento de 404 a 650 barris no Brasil
Mudança de postura: Antes, empresa dizia que vazamento na Bacia de Campos era normal
Solução à vista? Chevron avalia que mancha de óleo não cresceu e se afasta da costa
Investigação: PF abre inquérito para investigar vazamento na Bacia de Campos

Buck não soube explicar porque houve o vazamento do óleo naquele trecho da tubulação, permitindo que o petróleo entrasse pela rocha e chegasse à superfície por fissuras. Segundo ele, aquele é um "poço aberto" e não haveria necessidade de ser totalmente revestido. Ele disse que a causa do vazamento "é parte da investigação".

Ele também esquivou-se de estimar a quantidade de óleo vazado. Buck classificou a segunda-feira (14) como "o pior dia", quando a mancha correspondia a 882 barris de óleo na superfície do mar. Isso ocorreu um dia depois de ter sido introduzida uma quantidade de lama suficiente para interromper o fluxo do óleo e iniciar a cimentação do poço.

A primeira entrevista do executivo desde o acidente, não pôde ser gravada ou filmada. O aparato de segurança incluiu uma lista prévia com o nome dos jornalistas autorizados a participar da coletiva e de uma preleção, feita pelo próprio Buck, sobre os procedimentos em caso de incêndio no prédio da Chevron.

Investigação

Sete funcionários da Chevron foram intimados a depor à Polícia Federal sobre o vazamento. De acordo com o delegado Fábio Scliar, responsável pelo caso, cinco engenheiros que trabalham embarcados na plataforma deverão prestar esclarecimentos na próxima semana. Outros dois funcionários administrativos também foram intimados.

Os depoimentos estão previstos para ocorrer na quarta (23) e na sexta-feira (25). O delegado disse que, por enquanto, não há necessidade de se convocar integrantes da direção da empresa para prestar esclarecimentos.

Leia também:
Representantes da Chevron devem ser intimados hoje, diz PF
Diretor da ANP culpa Chevron por vazamento
Vazamento está na rota de baleias e golfinhos, alerta secretário
Derramamento na Bacia de Campos pode ser pior que o divulgado

Com AE

    Leia tudo sobre: vazamentopetróleobacia de campos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG