Juiz permite que dois acusados do caso Chevron deixem o país

Funcionários da Transocean, um britânico e outro canadense, tiveram autorização para sair do país e voltar até 19 de abril

Reuters |

O juiz encarregado de lidar com acusações criminais contra a empresa petrolífera Chevron, a operadora de sondas Transocean e 17 de seus funcionários concedeu permissão para que dois dos acusados deixem o Brasil para visitar suas famílias, informou a Justiça Federal.

Leia também:
Advogados da Chevron questionam competência de procurador do MP

Chevron diz que novo vazamento no Brasil é diferente do anterior
"Protocolos de segurança devem ser cumpridos", diz Dilma Rousseff
ANP não descarta ligação entre vazamentos no Campo de Frade

A decisão pode ser um sinal de que os juízes poderão ser mais flexíveis com os réus em um caso sem precedentes no Brasil, que pode se arrastar por anos e resultar em penas de prisão de até 31 anos.

Os funcionários da Transocean Gary Marcel Slaney, canadense de 58 anos, e Brian Mara, um britânico de 45 anos, fora contentPaneMainBodySubView:saveLinkImage m autorizados a sair do Brasil no dia 21 de março e voltar em 19 de abril, de acordo com os documentos judiciais.

Leia:
Vazamento da Chevron continua até hoje, diz procurador
“Não se pratica crime ambiental impunemente no Brasil”, diz procurador
Ministério Público instaura denúncia criminal contra Chevron

Para MPF, questionamento legal pretende desviar foco do vazamento

A dupla terá que entregar seus passaportes quando retornar ao país, segundo o juiz da 1a Vara Federal de Campos dos Goytacazes (RJ) Claudio Girão Barreto em sua decisão, datada de 20 de março. Os 17 empregados das companhias foram obrigados pela Justiça a permanecer no país e entregar seus passaportes em 17 de março.

Advogados de Slaney e Mara argumentaram, no entanto, que eles não viam suas famílias há meses e que já haviam comprado as passagens muito antes de serem obrigados a entregar seus passaportes.

Slaney e Mara foram acusados de não tomar as medidas adequadas para encerrar o vazamento de petróleo. Slaney também é acusado de não agir de acordo com licenças, quebrando as normas legais e regulamentares, e de alterar documentos.

Os funcionários não foram localizados. A Transocean disse na semana passada que as acusações contra a empresa são infundadas e que irá defender os seus funcionários. A companhia disse ainda que seus empregados agiram corretamente.

Nenhum dos dois funcionários possuem residência fixa no Brasil e estão no país apenas para trabalhar embarcados na plataforma da Transocean distante 120 quilômetros da costa brasileira, onde houve o vazamento.

Entenda o caso:
Promotoria diz que Chevron errou ao perfurar poço
Senadores vão ouvir representantes da Chevron
Chevron divulga vídeo com imagens do vazamento
Situação em bloco da Chevron está fora de controle, diz PF
Ministério Público prepara ação penal contra Chevron
Executivos da Chevron são impedidos de deixar o Brasil
Detectada mancha de óleo de 1km do vazamento da Chevron
ANP diz que há novo vazamento da Chevron na Bacia de Campos
Para Ibama, trata-se de uma ocorrência natural
Minc afirma que faltou transparência por parte da Chevron
ANP quer mais dados para suspensão de produção da Chevron
Perfuração pode ter causado hecatombe, diz delegado da PF

    Leia tudo sobre: vazamento de petróleoanpchevronbacia de campos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG