NASA desiste de telescópio Kepler

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A agência espacial americana anunciou que não vai mais insistir no conserto do seu "caçador de planetas"

AP

Nasa
Ilustração conceitual do Kepler no espaço%3: telescópio não tem conserto, mas a Nasa ainda não desistiu dele

A Nasa anunciou nesta quinta-feira (15) ter cancelado todas as tentativas de consertar o telescópio espacial Kepler. Mas ela ainda não está pronta para desistir do seu "caçador de planetas".

Técnicos da agência espacial americana afirmaram que estão pesquisando que tipo de experimentos científicos podem ser feitos com a nave como está agora.

Veja alguns dos exoplanetas descobertos até agora

A missão de 600 milhões de dólares tem tido problemas desde maio, quando perdeu a capacidade de encontrar com precisão estrelas distantes, em sua busca por novas Terras. Foi quando a segunda das suas quatro rodas giroscópicas falhou. São necessárias três rodas funcionando perfeitamente para o telescópio funcionar com precisão.

Em maio: Telescópio espacial 'caçador de planetas' está danificado, diz Nasa

Desde que foi lançado em 2009, O Kepler confirmou a existência de 135 exoplanetas - planetas fora do nosso Sistema Solar. Ele também identificou mais de 3.500 candidatos a planeta.

A Nasa espera saber até o final do ano, se a missão ainda pode ser aproveitável, já que ela já está em uma espécie de extensão: sua missão principal, de três anos e meio, acabou em novembro de 2012.

Entenda: Estudos dizem que existem 17 bilhões de 'Terras' na Via Láctea

A nave está a 82 milhões de quilômetros da Terra, orbitando o Sol.

Se nada mais der certo, novas descobertas são esperadas a partir de dados recolhidos ao longo dos últimos quatro anos.

"Esta não é a última vez que você vai ouvir do Kepler", prometeu Paul Hertz, diretor de Astrofísica da Nasa.

"A missão fez descobertas extraordinárias na busca de exoplanetas, incluindo várias superTerras na zona habitável", disse John Grunsfeld, um ex-astronauta que dirige o departamento científico da Nasa.

A zona habitável é a distância entre uma estrela e um planeta em que as temperaturas permitam a existencia deágua líquida e, eventualmente, a vida.

"Sabendo que Kepler coletou com sucesso todos os dados de sua missão primordial, estou confiante de que as descobertas mais surpreendentes estão no horizonte", disse Grunsfeld em um comunicado à imprensa.

Engenheiros tentaram, sem sucesso, ao longo de centenas de horas, reviver as duas rodas com defeito. O telescópio permanece estável, com propulsores controlando seu funcionamento com o mínimo de combustível possível.

Os custos e benefícios do restante da missão serão analisados e os resultados de dois estudos são esperados para meados do segundo semestre, com as decisões que vem depois.

Investigador principal da missão Kepler, William Borucki do Centro Ames da Nasa, na Califórnia, disse que ninguém sabia no início do trabalho se planetas do tamanho da Terra realmente existiam e qual seria sua frequência.

Galeria: imagens do espaço

"Agora, após a conclusão das observações do Kepler, sabemos que nossa galáxia está repleta de planetas", disse Borucki, em entrevista coletiva. Uma grande parte desses planetas são pequenos como a Terra, não gigantes gasosos como Júpiter, observou.

Centenas, se não milhares, de mais exoplanetas são esperados a partir de descobertas de Kepler, disse Borucki. Ele disse que levaria mais três anos para analisar os dados restantes.

"Nós literalmente esperamos que as descobertas mais interessantes estão por vir nos próximos anos, à medida que vasculhamos todos os dados", disse ele.

Leia tudo sobre: exoplanetasKeplernasaespaçosistema solarplanetasmaislidas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas