Cientistas descobrem por que é impossível comer uma só batatinha

Por Maria Fernanda Ziegler - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Experimento realizado em camundongos mostrou que um ingrediente ativa o sistema cerebral ligado ao prazer e baixa a sensação de saciedade

Getty Images
Pesquisa explica cientificamente o que acontece no cérebro para tornar impossível comer só uma batatinha

Cientistas alemães conseguiram desvendar um antigo mistério que assolava quase a totalidade das pessoas que amam comer um saquinho de batatas chips. De acordo com eles, se a ideia é comer uma só é melhor nem abrir o pacotinho, pois será impossível: o cérebro não permite.

Cismado com a impossibilidade de comer só uma batatinha, Tobias Hoch, do departamento de Química da Universidade Erlangen-Nuremberg, liderou um experimento com camundongos e notou que um ingrediente do produto ativa o sistema cerebral ligado à recompensa e provoca uma baixa no sistema de saciedade.

Leia também:
Efeito 'similar à maconha' explica gula por comidas gordurosas
Comer gordura em ‘hora certa’ pode emagrecer, diz estudo
Entenda por que alguns alimentos combinam 
Genes podem explicar por que algumas pessoas não gostam de carne de porco
Barulho pode afetar sabor de comida de avião, diz estudo
Motivo do fracasso no regime está nos neurônios

No estudo, que foi financiado pela própria universidade, um grupo de camundongos foi alimentado durante uma semana com batatinhas. Para descartar se o prazer estava relacionado com a ingestão de gordura e carboidrato, um segundo grupo de camundongos foi alimentado com uma mistura composta da mesma quantidade de nutrientes. Enquanto comiam a atividade cerebral dos animais era monitorada por ressonância magnética.

“Pudemos observar uma diferença significativa em relação a ativação cerebral nos dois grupos. O sistema de recompensa do cérebro era fortemente afetado entre os animais que se alimentaram de chips”, disse Hoch ao iG.

O pesquisador explica que a região do cérebro ligada ao sistema de recompensa foi ativada fortemente pela alimentação de batata e permaneceu em níveis baixos entre os animais que comiam a mistura. Além disso, a região do cérebro ligada à saciedade ficou desregulado, o que estimula a ingestão de alimento.

“Também notamos uma desativação em regiões do cérebro relacionadas ao sistema que regula o sono e encontramos uma ativação das áreas responsáveis pela atividade locomotora e do movimento nos animais que comeram batata frita”, disse.

Hoch ressalta que ainda não há dado algum referente à ação das batatinhas em humanos. Porém, seu experimento mostrou que algum ingrediente do produto fez com que o cérebro dos camundongos mandasse uma mensagem prazerosa. Mas Hoch não conseguiu definir qual seria este produto. 

Leia tudo sobre: alimentaçãocérebrobatata fritagorduracarboidrato

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas