Jornalista detido por 'porte de vinagre' durante protesto é liberado em SP

Repórter da Carta Capital foi preso por carregar um recipiente com o produto usado para diminuir o ardor nos olhos provocado pelas bombas de gás lacrimogêneo

Renan Truffi e Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

O repórter da Carta Capital Piero Locarelli foi detido pela Polícia Militar durante a manifestação contra o aumento de passagens em São Paulo . Os policiais alegaram que o jornalista, além do seu material de trabalho, portava um recipiente com vinagre. No início da noite, o jornalista foi liberado.

A manifestação: Antes de começar, protesto tem mais de 100 detidos e confronto em SP
PM prende, agride e impede trabalho de jornalistas em protesto em São Paulo
Entenda: Inspirados pela revolta turca, jovens engrossam passeatas pelo Brasil

O vinagre é usado pelos manifestantes, e também pelos jornalistas que participam da cobertura, para diminuir a sensação de ardor nos olhos e na garganta provocado pelas bombas de gás lacrimogêneo. 

Mesmo antes de manifestantes de diversos grupos liderados pelo Movimento Passe Livre darem início a mais uma passeata, pelo menos 60 pessoas já haviam sido presas. Houve confronto entre policiais e manifestantes.

Mais: “Não consigo ver meu filho”, diz mãe de estudante preso em manifestação

Além a prisão do repórter da revista, outros dois jornalistas, um da TV Folha e um do jornal Metro, foram agredidos. "Eles dispararam spray de pimenta aleatóriamente", disse o repórter do Metro, Henrique Beirange.

Um fotógrafo do portal Terra chegou a ser detido. Ele diz ter sido ofendido verbalmente até conseguir se identificar. Depois ele foi liberado.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o secretário Fernando Grella determinou que Corregedoria da Polícia Militar apure casos envolvendo fotógrafos e cinegrafistas na manifestação.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG