Segundo ministro da Saúde, além dos Estados brasileiros de São Paulo e Pernambuco, País entrou em contato com Argentina, Uruguai e Peru

BBC

BBC

O ministro da Saúde do Brasil, Alexandre Padilha, afirmou na manhã desta segunda-feira que o Brasil já está em contato com bancos de pele de outros países para poder garantir o atendimento a vítimas do incêndio que deixou ao menos 231 mortos em uma boate em Santa Maria no domingo.

Vítimas: Veja a lista de corpos identificados

Relato: “Vi pessoas se escondendo dentro de freezers”, diz sobrevivente

Parentes e amigos participam de velório de vítima de incêndio na Boate Kiss em Santa Maria, Rio Grande do Sul (27/01)
AP
Parentes e amigos participam de velório de vítima de incêndio na Boate Kiss em Santa Maria, Rio Grande do Sul (27/01)

Músico: “Ficamos com medo de linchamento”, diz guitarrista que tocava em boate

Solidariedade: População prestou primeiros socorros, diz sobrevivente

De acordo com o ministro, já foram contactados bancos de pele dos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Pernambuco, mas, para atender à demanda dos pacientes, mais material pode ser necessário.

"Já fiz contato com meus colegas, ministros da Argentina, Uruguai e Peru. Se for necessário, podemos trazer pele desses bancos", disse Padilha em uma coletiva no centro desportivo, onde os corpos de algumas das vítimas continuam sendo velados .

Ao todo, 121 vítimas continuam internadas, sendo 82 em hospitais de Santa Maria e 39 em outras cidades, incluindo Porto Alegre. Destes, 79 estão em estado grave e respiram com ajuda de aparelhos.

Testemunhas: Saída principal da boate estava fechada após incêndio

Saiba mais: Veja vídeos da tragédia em Santa Maria, no Rio Grande do Sul

Apesar do número alto de pacientes em estado grave, não foi registrada mais nenhuma morte entre as vítimas do incêndio nesta madrugada. "A grande maioria sofreu intoxicação respiratória, e 20% (das vítimas estão) com grandes queimaduras", afirmou o ministro.

Intoxicação

Um dia depois da tragédia, uma das grandes preocupações dos médicos é com as pessoas que estiveram no local e podem desenvolver quadros respiratórios graves mesmo não tendo ficado feridas.

De acordo com o ministro da Saúde, um quadro de tosse e falta de ar pode evoluir para uma pneumonite química em poucos dias por causa da inalação da fumaça tóxica. "No início da noite de ontem, tivemos cinco pacientes que não haviam sofrido nada e tiveram de ser internados com quadro de pneumonite química."

Ao todo, cerca de 300 pessoas passaram pelos hospitais de Santa Maria desde o incêndio. O atendimento às famílias das vítimas vem sendo feito com 20 equipes de suporte psicológico. Nesta segunda-feira, esses grupos devem visitar familiares das vítimas em hospitais e velórios.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.