Assassinos de PM de UPP ignoraram apelos da mãe da vítima antes de atirar

Vítima foi morta durante suposto assalto após criminosos descobrirem que ele era policial

O Dia | - Atualizada às

Reprodução
Róbson era lotado na UPP Fé/Sereno, no Complexo da Penha

O soldado Robson Soares Menna Júnior, de 23 anos, não teve tempo de reagir à ação de três bandidos em Vilar dos Telles, São João de Meriti, na noite de sábado. Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fé/Sereno, no Complexo da Penha, ele foi executado com pelo menos três tiros na frente da mãe, a pedagoga Leila, de 56 anos, na porta de casa.

Leia também: Soldado de UPP morto tinha passado em concurso para tenente havia três meses

A mulher, que estava na varanda, ainda clamou pela vida do filho e, em resposta, os criminosos dispararam contra o rapaz. Houve troca de tiros com três PMs que passavam pelo local, mas os bandidos fugiram com o carro do militar, um Fiat Stilo preto.

O corpo de Robson foi enterrado nesta segunda-feira, no cemitério Jardim da Saudade, Sulacap. Segundo o delegado Delmir Gouvêa, da 64ª DP (Vilar dos Telles) pelos relatos de testemunhas, os bandidos viram a arma do PM, uma pistola ponto 40, e decidiram atacá-lo. “A linha mais forte é a de latrocínio (roubo seguido de morte). O militar foi identificado porque estava com a arma dele, que apreendemos, na cintura”, explicou Gouvêa.

O policial, que estava com a noiva, Cintia Maria, estacionou o carro em frente à sua casa. Pouco depois, desceu para colocá-lo na garagem, quando foi abordado por três homens. O bando ainda deu um golpe tipo gravata antes de matá-lo.

Robson pretendia subir na carreira. Ele havia feito prova para tenente e acreditava ter passado ao conferir o gabarito. Antes de entrar na PM, serviu como fuzileiro naval. Ontem, amigos do policial lamentavam o episódio na página dele na rede de relacionamentos Facebook.

Dois mortos em 24 horas

Em menos de 24 horas, dois PMs foram assassinados em supostos assaltos. Sexta-feira, o sargento Wellington da Silva, 35 anos, lotado no 7º BPM (São Gonçalo), que estava de folga, deixava a irmã e o sobrinho em casa, quando foi morto. Wellington caiu em emboscada na esquina das ruas Francisco Nunes e Rodrigo de Carvalho e reagiu ao assalto.

No tiroteio, o PM foi atingido no tórax e braço esquerdo. A ação contra o militar começou, quando bandidos cercaram ele em seu carro, um Meriva bege. O militar foi levado para o Pronto Socorro de São Gonçalo e depois transferido para o Hospital da PM, no Estácio, mas não resistiu aos ferimentos. A filha dele, de 3 anos, que também estava no carro, foi baleada no ombro direito.

* Com reportagem de Adriana Cruz

    Leia tudo sobre: crimepolicialupp complexo do alemão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG