Na média nacional, famílias gastam 29,2% com moradia; em segundo lugar, vem o item alimentação, com 16,1%

Prédios no centro de São Paulo
AE
Prédios no centro de São Paulo

Habitação é o grupo de maior peso para todos os tipos de composição familiar (29.2%), com despesa média mensal de R$ 765,89, revela a publicação Perfil das Despesas no Brasil, referente à Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE. Nas famílias formadas por uma única pessoa, esse item chega a absorver 35,4% do total de despesas totais e, nas famílias em que a pessoa de referência é mulher vivendo com seus filhos sem a presença de cônjuge os valores gastos representaram 32,4% do total de despesas. Em seguida, vêm famílias formadas por casais sem filhos (29,9%), casais com filhos e outro parente (27,4%) e casais com filhos (27,3%).

Leia também:

Gasto com remédios consomem 48,6% da despesa com saúde do brasileiro
Famílias chefiadas por empregadores e funcionários públicos gastam mais
Espíritas gastam mais que o dobro que evangélicos, que lideram em doações
Viagens esporádicas consomem R$ 50,16 por mês das famílias brasileiras

Já as despesas com alimentação, segundo item de maior peso, mostram certo equilíbrio entre os diversos tipos de famílias. Para famílias compostas por casal com filhos e outros parentes, por exemplo, essa despesa chegou a 18,2% do gasto familiar, enquanto os domicílios com casal e filhos a despesa foi de 16,3%.

No que diz respeito às despesas com o grupo transporte, a média dos gastos foi de 16%. Comparado à POF 2002-2003, esse item registrou um aumento de 0,9% percentual, influenciado sobretudo pelo aumento das despesas dos casais e dos casais com filhos. Transporte teve maior peso para as famílias compostas por casal com filhos (17,7%)

No caso de gasto familiar com o grupo assistência à saúde, a média nacional foi de 5,9% do total das despesas familiares. Famílias unipessoais (6,8%), casal sem filhos (6,6%) e casal com filhos e outros parentes (6,5%) foram as que mais gastaram com este item.

Se em itens como alimentação não há grandes diferenças entre as composições familiares, no grupo educação a estrutura familiar é um fator determinante. A presença de filhos faz com que o peso relativo dos valores seja, no mínimo, duas vezes maior que nas famílias sem filhos. Na média, as famílias comprometem 2,5% das despesas mensais com educação. Já os casais sem filhos gastam apenas 1,1% com educação, ao passo que os casais com filhos dispendem 3,1%. 

Leia também divulgações do Censo 2010 :
- País de extremos, Brasil tem 190.755.799 habitantes
- Censo revela os extremos do Brasil
- No País em que homens são minoria, Mato Grosso é exceção
- Maranhão é o Estado mais rural do Brasil
- IBGE: Brasil possui 190,7 milhões de pessoas
- População começará a recuar a partir de 2040
- Mais 80% das mortes entre 20 e 24 anos são de homens
- 2,7 milhões de brasileiros não têm energia elétrica
- Famílias estão menores e mais abertas
- Zona rural e idosos elevam taxa de analfabetos
- 10% mais ricos têm 44,5% da renda dos brasileiros
- Homens são 80% das mortes entre 20 e 24 anos
- Pretos e pardos recebem quase a metade que brancos 
- Pela 1ª vez, casas têm mais TV e geladeira que rádio
- Metade não estudou ou não concluiu fundamental
- Comércio e agricultura têm 30% dos trabalhadores
- Menos de 1% ganha mais de 20 salários mínimos
- Mortalidade infantil cai quase 50% em dez anos
- Taxa de fecundidade cai a 1,9 filho por mulher
- Separações crescem cerca de 20% em dez anos
- SP e GO são os Estados que mais recebem migrantes
- Mais de 45 milhões têm alguma deficiência
-
Católicos perdem espaço, mas seguem maior grupo religioso do País
-
Brasileiro vive 25 anos a mais do que em 1960
- Com mais 16 milhões de fiéis em 10 anos, evangélicos são 22,2% dos brasileiros
- 8% dos brasileiros se declaram sem religião
Trabalhadores com deficiência são 23,6% do total de pessoas ocupadas


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.