Gleisi Hoffman, presidente nacional do PT
Reprodução
Gleisi Hoffman, presidente nacional do PT

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro (PL) ter novamente atacado o PT  durante a convenção do PL neste domingo (24), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) preferiu ignorar o evento e não rebater diretamente o discurso bolsonarista. Houve tuitaço nas redes sociais para desviar o foco da convenção, mas a militância evitou críticas ao rival e buscou somente exaltar Lula.

Procurado pelo GLOBO, o PT afirmou que Lula e o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) não iriam se manifestar sobre a fala de Bolsonaro. Lula é adversário do presidente nas eleições deste ano e aparece como favorito nas pesquisas de intenção de voto. Haddad perdeu para o atual mandatário em 2018 e hoje é pré-candidato ao governo de São Paulo.

A presidente do partido, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), por outro lado, criticou publicamente o discurso. Ela disse que Bolsonaro atacou o Supremo Tribunal Federal (STF) e “ofendeu” a população brasileira e as pessoas surdas. O presidente chamou os ministros do STF de “surdos togados que não ouvem”, durante o evento.

Gleisi também afirmou que os ataques de Bolsonaro são “porque (ele) sabe que não ganha no voto”. No último Datafolha, divulgado em 23 de junho, Lula tinha 47% das intenções de voto no primeiro turno, contra 28% de Bolsonaro.

Ao GLOBO, o líder do PT na Câmara dos Deputados, Reginaldo Lopes (PT-MG), chamou o discurso de Bolsonaro de “golpista”. Ele também criticou a convocação feita pelo presidente para manifestações no 7 de Setembro, dizendo que essa “será a última vez” que ele faz isso:

"Com certeza essa será a última vez que ele convoca a nossa gente, porque no dia 2 de outubro ele não será mais o presidente da República e nós vamos conseguir a verdadeira liberdade."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários