O presidente da República, Jair Bolsonaro
Iano Andrade / CNI
O presidente da República, Jair Bolsonaro

Em reunião com o procurador-geral da República, Augusto Aras, nesta terça-feira, senadores da coligação do ex-presidente e pré-candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva , do PT, entregaram um pedido para que o  presidente Jair Bolsonaro (PL) seja investigado por adotar condutas que incentivem e levem à violência.

O encontro na Procuradoria-Geral da República (PGR) foi marcado após o assassinato de um militante petista na noite de sábado , em Foz do Iguaçu. O crime foi cometido por um homem que se diz apoiador de Bolsonaro.

Na reunião, os senadores, além de pedirem a investigação do presidente, solicitaram, por meio de dois "incidentes de deslocamento de competência", a federalização da investigação do assassinato. Os políticos também entregaram a Aras um relatório que mostra o crescente número de casos de violência política no Brasil.

No pedido de investigação de Bolsonaro, as condutas praticadas por ele "de forma reiterada, para além de ameaçarem a ordem democrática e a integridade física dos brasileiros, configuram, em tese, crimes definidos no Código Penal e em legislação especial".

"As lives e manifestações públicas do Representado, em geral, configuram verdadeiras exortações de ódio a setores da população brasileira que ousam divergir de suas opções políticas, posturas e compreensões de mundo, o que não pode, jamais, ser admitido como normal, aceitável, ou ser abarcado pela imunidade processual que detém o Presidente da República, na quadra democrática vigente", afirmam, na representação.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários