Presidente Jair Bolsonaro
Isac Nóbrega/ PR
Presidente Jair Bolsonaro


Em discurso no lançamento da nova Carteira de Identidade Nacional , o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a tecer críticas a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O mandatário citava feitos de sua gestão quando reforçou que "de nada vale se vocês não tiverem liberdade".


Neste ponto, ele disse que, geralmente, restrições à liberdade costumam partir do Poder Executivo, mas não no seu governo. "Aqui é exatamente ao contrário. É o chefe do Executivo que resiste às arbitrariedades estapafúrdias, dizendo que duas ou três pessoas no Brasil passam a valer mais que todos nós juntos. Mais que a Câmara, mais que o Senado, mais que o Executivo, mais que os outros órgãos do Judiciário, mais que o TCU, mais que o STJ", declarou durante o evento realizado na tarde desta quarta-feira (23).


Ele não citou nomes, mas embates entre ele e os ministros Alexandre de Moraes e  Luís Roberto Barroso são comuns. Nesta semana, ele também recusou o convite para participar da  cerimônia de posse do ministro Edson Fachin como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).


"Nós vamos ceder pra dois ou três e relativizar a nossa liberdade? Não é que nós vamos resistir, nós não vamos perder essa guerra", acrescentou.


Bolsonaro se referia às eleições e suas contínuas ilações de que o sistema de votação não é seguro, ao dizer que o "seu João e a dona Maria" possuem o direito de saber se o voto deles foi computado. Quase duas semanas atrás, o presidente afirmou que o Ministério da Defesa havia feito uma  série de perguntas sobre o processo e vinha sendo ignorado pelo TSE. 

Leia Também


Na ocasião, o iG chegou a procurar a pasta para saber quais eram as dúvidas, mas não obteve resposta. Dias depois, o então presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, divulgou as perguntas e as respostas.



Mas as queixas de Bolsonaro não pararam por aí. Ao longo do discurso, o chefe do Executivo fez críticas ao passaporte da vacina e à prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), detido por ataques aos magistrados do STF.


"Inadmissível o cidadão ser ameaçado, ser preso porque omitiu uma opinião", defendeu. Atualmente, Silveira está solto, mas ainda cumpre medidas cautelares, como a proibição de contato com outros investigados nos inquéritos das fake news e de ataques à democracia e a suspensão do uso de redes sociais.

Quer receber as notícias de Último Segundo no seu celular? Entre agora em nosso canal do Telegram e fique por dentro do que acontece no Brasil e no mundo: https://t.me/iGUltimoSegundo

** Ailma Teixeira é repórter nas editorias Último Segundo e Saúde, com foco na cobertura de política e cidades. Trabalha de Salvador, na Bahia, cidade onde nasceu e se formou em Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), em 2016. Em outras redações, já foi repórter de cultura e entretenimento. Atualmente, também participa do “Podmiga”, podcast sobre reality show, e pesquisa sobre podcasts jornalísticos no PósCom/Ufba.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários