Gleisi Hoffmann, presidente do PT
Divulgação
Gleisi Hoffmann, presidente do PT


A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, acredita que o encontro entre o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), e o ex-juiz Sergio Moro, pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, torna mais difícil as  negociações com o PSB para formação de uma federação.


— Achei muito ruim o fato de o Casagrande ter se encontrado com o Moro. Você não serve a dois senhores  — afirmou Gleisi.


A dirigente considera difícil para os petistas apoiarem Casagrande depois do gesto. Moro condenou Lula no processo que o fez passar 580 dias preso. No ano passado, a setença foi anulada.


O encontro de Casagrande com o ex-juiz está previsto para acontecer neste sábado. Indagada se a reunião inviabiliza a aliança entre PT e PSB, Gleisi respondeu:


— Não. Mas realmente torna a coisa mais azeda, mais difícil. É uma sinalização política ruim. Estamos falando de um projeto e o PSB está na discussão da federação.


O PSB quer que o PT apoie a reeleição de Casagrande no Espírito Santo. O governador alega que o Podemos faz parte de sua base no estado e que conversará com Moro como também conversou com outros presidenciáveis, como Ciro Gomes (PDT).

Leia Também


Apesar do mal-estar, as negociações para a formação da federação, que inclui também o PCdoB e o PV, devem prosseguir. Uma nova reunião deve acontecer daqui a dez dias. Haverá conversas para tentar chegar a um acordo no Rio Grande do Sul. O PT quer lançar o deputado estadual Edegar Pretto no estado e o PSB, o ex-deputado Beto Albuquerque.


Nesta sexta-feira, o PSOL, que não cogita entrar na federação, aprovou, em reunião da sua executiva nacional, a abertura de negociações com o PT e demais partidos de esquerda para firmar uma aliança eleitoral em torno da candidatura do ex-presidente Lula.


O partido pede que Lula se comprometa com questões programáticas. Os três principais pontos são: revogações das reformas trabalhista e da Previdência e do teto de gastos; medidas para financiar a transição energética e defesa de um novo modelo de desenvolvimento da Amazônia; e uma reforma tributária que inclua a criação de impostos para os super-ricos.



Com relação à taxação dos super-ricos, Gleisi afirmou que  o PT tem afinidade com a proposta.


 — É uma discussão que a gente tem feito no PT. É necessário taxar quem ganha mais.


Em declaração no ano passado, Lula se mostrou cético sobre a taxação de grandes fortunas por considerar que os ricos poderiam tirar seu dinheiro do país.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários