PTB: Briga no partido vira caso de polícia após troca de acusações
Reprodução/PTB
PTB: Briga no partido vira caso de polícia após troca de acusações

A direção nacional do PTB está em pé de guerra desde que o  presidente de honra e fundador da sigla, Roberto Jefferson, entrou em conflito com a presidente nacional, Graciela Nienov, a quem tratava como "filha postiça" e agora chama de "traidora".

A briga transpôs as instâncias partidárias e virou caso de polícia, com registro de boletim de ocorrência, e de Justiça, com ações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Nesta quarta-feira, Nienov veio a público para dizer que nem ela nem os seus aliados "roubaram" equipamentos da sede nacional do partido, na Asa Norte, em Brasília.

As acusações foram feitas por adversários petebistas, entre eles a filha de Jefferson Cristiane Brasil, que se revoltaram com o fato de Nienov ter ido ao prédio para pegar o seu notebook pessoal e algumas pastas, na terça-feira. Nas redes sociais, eles escreveram que a presidente do partido "invadiu" a sede com o objetivo de "ocultar provas" contra ela.

"Essas informações são fake news criadas para tumultuar o partido e atrapalhar a gestão dos novos dirigentes. São fruto de imaginação de pessoas que estão com receio de perder espaço na nova adminsitração", reagiu Nienov, em nota.

Antecipando o clima hostil, na segunda-feira, a presidente do PTB registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil do Distrito Federal, alegando estar recebendo "mensagens com teor intimidatório de pessoas ligadas a Roberto Jefferson". A informação constava na ação que ela impetrou no mesmo dia no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pedindo a reintegração de posse da sede nacional do PTB, que estaria ocupada pelo grupo político do ex-presidente.

"Está-se diante do inimaginável: não se dá acesso à presidente de um partido ao escritório do seu próprio diretório nacional. Esse é o nível de interferência do ex-dirigente e seus coligados", escreveu o advogado de Nienov, Gustavo Mascarenhas, na petição dirigida ao TSE.

Leia Também

Com o Boletim de Ocorrência nas mãos e temendo sofrer agressões, Nienov pediu o apoio de policiais militares para entrar no prédio.

Enquanto ela recuperava os seus bens, os adversários do PTB se movimentavam para recolher assinaturas da direção nacional para convocar uma convenção com o objetivo de destitui-la formalmente do posto. A expectativa desse grupo é que a saída dela seja formalizada até o dia 11 de fevereiro.

Logo que deixou o presídio de Bangu para cumprir prisão domiciliar em casa, no Rio, Roberto Jefferson tomou conhecimento de um suposto plano de traição coordenado por Nienov para mantê-lo na cadeia, segundo a versão espalhada por ele. Em uma carta distribuída por seu advogado, Jefferson afirmou que ela lhe pediu demissão e ele aceitou após a descoberta da trama.


Ao Globo, no entanto, Nienov esclareceu que não pediu demissão a ninguém e deu a entender que não deixaria o cargo tão fácil. Ela foi eleita presidente do PTB em convenção nacional, em novembro, após receber o apoio do próprio Jefferson, que se encontrava preso naquele momento.

Jefferson está detido preventivamente desde agosto de 2021 por ordem do ministro do STF Alexandre de Moares, que é o relator de um inquérito que apura a atuação de uma organização criminosa contra as instituições democráticas do país.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários