Morte por Covid é mais provável em países com governos populistas
Reprodução/Flickr
Morte por Covid é mais provável em países com governos populistas

Governos ditos populistas como o de  Jair Bolsonaro no Brasil e Donald Trump nos Estados Unidos tiveram um desempenho pior do que o de outros países no enfrentamento à pandemia de Covid-19 em 2020 e levaram a mortes desnecessárias com políticas relativamente brandas, conclui uma pesquisa acadêmica divulgada nesta quinta-feira por um instituto alemão.

O excesso de mortalidade — o número de mortes além daquelas esperadas caso não houvesse a pandemia — em países governados por populistas foi mais do dobro do índice registrado por outros tipos de governo, de acordo com o estudo, conduzido por sete pesquisadores internacionais.

O excesso de mortalidade foi de 18% em países com líderes populistas e 8% em países sem líderes populistas.

Deste modo, para 100 mortes que eram esperadas em 2020, a pandemia de Covid-19 causou 8 mortes adicionais em países não populistas, e 18 mortes adicionais em países populistas. Em média, entre todos os países considerados, o excesso de mortalidade foi de 10% – em vez de 100 mortes, morreram 110 pessoas, 10 delas devido ao vírus.

"Os números são claros. Os populistas são os piores gestores de crise na pandemia de Covid-19 e responsáveis por muitas mortes evitáveis nos países que governam", disse Michael Bayerlein, pesquisador do Instituto Kiel para a Economia Mundial que liderou a pesquisa.

A principal razão para a diferença foi que a “mobilidade cidadã” – medida criada usando dados do Google para rastrear o número de pessoas em lugares como supermercados e outros espaços públicos – também foi maior em países populistas. Segundo os autores, as pessoas de países com líderes populistas tiveram uma circulação duas vezes maior do que onde não há líderes populistas.

A equipe de autores identifica duas razões para a maior mobilidade. Em primeiro lugar, os governos populistas são menos propensos a adotar políticas impopulares e de longo prazo contra a propagação da pandemia, como restrições de contato.

Em segundo lugar, as estratégias de comunicação dos governos populistas também tiveram efeitos sobre a mortalidade. Quando os líderes minimizam a gravidade da pandemia e desacreditam as descobertas científicas, como o fizeram Bolsonaro,Trump e López Obrador, os cidadãos ficam menos inclinados a levar o vírus a sério e restringir sua circulação por iniciativa própria.

Leia Também

A pesquisa pesquisou a gestão da pandemia em 42 países membros dos Brics e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Entre estes, os pesquisadores classificaram 11 governos como “populistas”. Além de Brasil e Estados Unidos, a lista incluía Reino Unido, Polônia, Eslováquia, República Tcheca, Hungria, Índia, México, Israel e Turquia.

O populismo é um conceito da Ciência Política para classificar práticas em que forças políticas reivindicam representar um “povo” homogêneo em contraposição a “elites”. O termo ganhou grande apelo desde a ascensão de Donald Trump e o Brexit, e pode ser aplicado a políticos de direita e de esquerda.


"Nosso estudo é o primeiro a provar que os populistas estão fazendo um mau trabalho no combate à pandemia de Covid-19, o que se reflete diretamente no número de mortos. A alta mortalidade excessiva deriva de uma mobilidade muito intensa, que, por sua vez, é causada por uma falta de restrições e por propaganda desacreditando a Covid-19", disse Bayerlein.

O pesquisador diz que há “uma única boa notícia” no estudo – a existência de uma ligação clara entre mobilidade e número de mortos.

"Isso também significa que as pessoas podem se proteger limitando voluntariamente seus contatos durante a pandemia", afirmou Bayerlein.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários