Lula vence Bolsonaro nas intenções de voto em São Paulo, diz pesquisa
Reprodução
Lula vence Bolsonaro nas intenções de voto em São Paulo, diz pesquisa

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas - e divulgado nesta quinta-feira (23) - mostra que o  ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) é o candidato preferido dos eleitores no Estado de São Paulo para a corrida presidencial em 2022.

De acordo com o levantamento, o petista lidera a corrida ao Planalto com 32% das intenções de voto. Em segundo lugar, aparece o  presidente Jair Bolsonaro (PL) - em um resultado próximo a um empate técnico - com 27,9% da preferência do eleitorado.

Entre os candidatos de 'terceira via', o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) teria 10,3% dos votos válidos caso o pleito fosse realizado hoje. João Doria (PSDB) é o candidato ideal para 5,8% entre os votantes. Ciro Gomes (PDT), Simone Tebet (MDB) e Rodrigo Pacheco (PSD) pontuaram 5,2%, 1,2% e 0,9% respectivamente. Outros 12,5% votariam branco e nulo e, entre aqueles que não sabem ou não responderam, somam-se 4,2%.

Murilo Hidalgo, diretor presidente do Paraná Pesquisas, explicou que "você sente que no sul do Brasil dá Jair Bolsonaro, em relação ao Lula, pensando só nos dois candidatos. No sudeste, o Bolsonaro tinha uma pequena vantagem, mas hoje dentro de uma margem de erro, ela estaria pró Lula. No centro-oeste e norte estão equilibrados. No nordeste, o Lula ainda é muito forte. A vantagem [de Lula] é muito forte".

"O segundo turno está mais distante que o primeiro. Há uma vantagem do ex-presidente Lula sobre Bolsonaro, mas não tão grande para uma vitória no primeiro turno", ressalta o especialista.

O grupo também realizou um questionamento aos entrevistados referente a avaliação do atual governo de Jair Bolsonaro. Dos questionados, 25,5% consideram boa ou ótima. A gestão é regular para 22,4% e outros 50,5% classificam como ruim ou péssima.


Para a realização da pesquisa, o Instituto Paraná Pesquisas entrevistou 1.818 eleitores em 88 cidades paulistas entre os dias 13 e 17 de dezembro. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários