Jair Bolsonaro (sem partido) em motociata
Divulgação
Jair Bolsonaro (sem partido) em motociata

As convocações para os atos em favor do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) no dia 7 de setembro tem ganhado força entre os "bolsonaristas raiz", que sempre apoiaram o presidente e, mesmo após crescimento da rejeição, permanecem ao seu lado. Além de policiais militares – da reserva e da ativa – evangélicos, ruralistas e caminhoneiros devem participar de maneira expressiva das manifestações em todo o Brasil.

Segundo O Estado de S. Paulo, pelo menos 16 Estados já têm manifestações programadas para o feriado: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Piauí, Paraíba, Sergipe, Maranhão, Amazonas, Pará, Roraima, Acre, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, além de Brasília. Em alguns deles, contudo, há apenas pequenos movimentos programados. 

A pauta ideológica deverá estar fortemente representada por movimentos, por exemplo, como o Nas Ruas e lideranças evangélicas como o pastor Silas Malafaia. Mas também devem dividir espaço com outras reinvidicações mais realistas como o pedido de diminuição do preço do diesel por parte dos caminhoneiros.

Nas últimas semanas, Bolsonaro esteve fazendo fortes ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), colocando em dúvida o resultado e a realização das eleições e até pedindo o impeachment de ministros.

Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, chegou até a publicar um vídeo convocando os fieis do Rio de Janeiro ao ato. Já a convocação dos caminhoneiros vem sendo feita de maneira individual. O caminhoneiro Odilon Fonseca, que tem mais de 40 mil seguidores no Facebook, por exempo, vem chamando os colegas de profissão a participar do ato. 

Vários bolsonaristas foram alvo de operação neste ano acusados de ataques às instituições. A exemplo, o presidente do PTB, Roberto Jefferson, foi preso há duas semanas; e o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) e o cantor Sérgio Reis foram alvo de mandados de busca e apreensão na última semana.

- Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários