Augusto Aras, Procurador-geral da República
O Antagonista
Augusto Aras, Procurador-geral da República

Na fala inicial à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), antes de iniciar a sabatina, o  procurador-geral da República, Augusto Aras, fez críticas à Operação Lava Jato, nesta terça-feira. Em referência ao seu antecessor, Aras disse que "poderia distribuir flechadas, criminalizando a politica", mas não o fez. Ele defendeu que "cada político merece dignidade".

"O modelo das forças-tarefas, com pessoalização, culminou em uma série de irregularidades que vieram à público, tais como os episódios revelados na 'Vaza Jato', a frustrada gestão de vultosas quantias arrecadadas em acordo de colaborações e acordos de leniência, por meio de fundos não previstos em lei", disse Aras aos parlamentares.

Você viu?

Ele afirmou, ainda, que as forças-tarefas tinham "deficiência de institucionalidade, sobretudo em alguns procedimentos de investigação". Isso, na visão dele, culminou em uma lacuna de documentos, o que prejudicou o princípio da impessoalidade.

Aras tem boa aceitação no Senado justamente por suas críticas à Lava Jato. Durante sua gestão, a PGR acabou com as forças-tarefas de Curitiba, São Paulo e do Rio, substituindo-as por um novo modelo, com menor estrutura de apoio. Ele também teve embates frequentes com os investigadores da operação, por causa da tentativa de obter cópia das bases de dados sigilosas e do esvaziamento das estruturas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários