Senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Covid, em entrevista coletiva
Divulgação/Agência Senado/Pedro França
Senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Covid, em entrevista coletiva

Em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, 13, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM) , disse que soube que a depoente de hoje, a diretora técnica da Precisa Medicamentos, Manuela Medrades , fez um media training [curso preparatório para entrevistas] para ser inquirida pelos senadores. Ainda assim, ela estaria sendo aconselhada por seus advogados a ficar em silêncio sempre que possível.

"O que eu sei é que ela [Manuela Medrades] fez uma media training ontem e que, durante a essa media training, ela 'perdeu a cabeça' várias vezes. Então, os advogados estão aconselhando ela a não responder [as perguntas dos senadores]. É isso que está acontecendo", disse Aziz.

E completou: "Fatos são fatos. Se ela não responder, os fatos serão declarados, até porque a Covaxin foi a única vacina que o presidente [Jair Bolsonaro] fez questão de ligar para o primeiro ministro da Índia, pedindo agilidade para comprar. Só esse fato é algo muito grave".

Manuela possui um habeas corpus parcial concedido pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), com o qual tem o direito de ficar em silêncio quando acreditar que a resposta pode incriminá-la de alguma forma. 

A Precisa Medicamentos foi a empresa que intermediou a negociação para compra da vacina indiana Covaxin, alvo de suspeitar de irregularidades e de corrupção - como denunciado pelo deputado federal Luiz Miranda (DEM-DF) e pelo irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luiz Ricardo Miranda.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários