Reprodução/TV Cultura
"Eu não gravei o presidente, mas não estava sozinho na sala", disse o deputado.

O deputado Luís Miranda (DEM-DF) voltou a dizer na noite da última segunda-feira (12) que tem como provar que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sabia de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin. O chefe do executivo nacional elgou que prevaricação não se aplica a ele, mas apenas "a servidores" .

Ao participar do programa "Roda Viva", da TV Cultura, Miranda sugeriu que a conversa teria sido gravada por seu irmão, o servidor Luís Ricardo Miranda. Segundo ele, só os dois estavam com Bolsonaro e que ele "jamais gravaria o presidente".

Leia: Polícia Federal abre inquérito para investigar se Bolsonaro prevaricou no caso Covaxin

"O presidente viu tudo, o processo inteiro (da compra da Covaxin ). De fato, ele não se atenta aos detalhes da documentação técnica, mas entende que era grave", disse.

Questionado várias vezes pela bancada de jornalistas sobre onde estaria essa gravação e por que ela não veio à tona ainda, afirmou que "o presidente confirmou tudo" o que ele e seu irmão falaram, então, o assunto "está encerrado" para ele.

Você viu?

Miranda afirmou que, ainda que não existisse o áudio, ele poderia comprovar que informou Bolsonaro pois encaminhou documentos por meio do aplicativo de áudio WhatsApp para o ajudante de ordens do presidente, o capitão-de-corveta da Marinha Jonathas Diniz Vieira Coelho. Ele leu algumas da mensagem durante o programa.

Leia também:  Bolsonaro indica oficialmente seu ministro 'terrivelmente evangélico' ao STF

Miranda disse que se encontrou com o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello após falar com Bolsonaro, em março, e que ele reclamou da influência do Centrão na pasta.

"Ele me disse que um político colocou o dedo na cara dele e disse: 'Se não der pixuleco vai sair dessa cadeira'", afirmou o deputado.

Miranda disse que não revelaria o nome de quem chantageou Pazuello, mas que deu o nome dessa pessoa, em privado, a integrantes da CPI da Covid.


O parlamentar disse, ainda, que seu gabinete tem recebido outras denúncias de irregularidades no ministério da Saúde , sem dar detalhes sobre quais seriam. Afirmou, apenas, que encaminhou denúncias para a CPI da Covid.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários