Ministro da Saúde Marcelo Queiroga e governador João Doria
Reprodução
Ministro da Saúde Marcelo Queiroga e governador João Doria

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, protagonizaram uma discussão nas redes sociais nesta quinta-feira (4). Isso porque o tucano criticou o Ministério da Saúde pela demora na entrega do novo lote de vacinas da Pfizer recebido pelo governo federal.

"Descaso com a vida dos brasileiros. Ontem, o Ministério da Saúde recebeu 936 mil doses da vacina Pfizer em Viracopos (SP). Surpreendentemente, até agora SP não recebeu nenhuma dose. A resposta do MS é que hoje (03/06) é feriado. Pelo visto, para o governo federal vidas não importam", disse Doria no Twiter.

Queiroga, então, respondeu o governador, acusando-o de estar utilizando a questão das vacinas para se promover politicamente. "Senhor governador, antes de emitir esse tipo de comunicado, informe-se com seu secretário de Saúde como funciona a tripartite. Daí, conversamos. Pare de palanque. Precisamos unir o Brasil", escreveu.

Em tréplica, Doria acusou a pasta de guardar doses na prateleira. "Ministro, hoje o Brasil registrou 2 mil mortes. É uma vergonha o sr achar normal guardar vacina na prateleira porque é feriado. Tripartite pra mim é vacina no braço. Somos servidores públicos. Temos a missão de vacinar os brasileiros com urgência."

Na quarta-feira, o tucano prometeu vacinar toda a população adulta do estado de São Paulo até o dia 31 de outubro, embora o plano dependa de que o governo federal cumpra o cronograma de recebimento de doses.

Para o mês de junho, o ministério da Saúde já informou uma redução da previsão de doses de vacina contra Covid-19 de 43,8 milhões para 39,9 milhões.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários