Eduardo Pazuello em depoimento na CPI da Covid nesta quarta-feira, 19
reprodução/tv senado
Eduardo Pazuello em depoimento na CPI da Covid nesta quarta-feira, 19

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , afirmou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 nesta terça-feira, 19, que as cláusulas de contrato da Pfizer eram "assustadoras" ao ser questionado pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL) sobre a demora em responder às ofertas de vacinas feitas pela farmacêutica ao Brasil.

"O assunto Pfizer é simples de se compreender. A prospecção da Pfizer começou em abril ou maio. Uma vacina completamente diferente do que estamos acostumados, uma tecnologia que não era de conhecimento do Brasil, e de uma empresa que não topava a discussão da tecnologia conosco, não tem transferência de tecnologia", disse Pazuello .

E completou: "quando tivemos a primeira proposta oficial da Pfizer, a oferta vinha com cinco clausulas que, para mim, eram assustadoras, na época. Estávamos tratando oferta com Oxford que chegaria a 200 milhões de doses, com Covax, 42 milhões, e a Pfizer colocando cinco cláusulas complicadíssimas: ativos brasileiros no exterior, isenção completa da responsabilidade por efeitos colaterais, referência do fórum para Nova Iorque, pagamento adiantado, assinatura do Presidente da República em contrato, não existirem multas quanto ao atraso de entrega. Para ouvir isso a primeira vez, eu achei muito estranho", afirmou.

Pazuello ainda informou à CPI que a Pfizer cobrava U$ 10 por dose e as negociações com outras farmacêuticas estavam em torno de U$ 3.

O ex-ministro da Saúde ainda afirmou que respondeu a todas as ofertas de  vacina feitas pela Pfizer ao Brasil de agosto a dezembro de 2020, contradizendo o depoimento do presidnte-geral da farmacêutica na América Latina, Carlos Murillo , que depôs em 13 de maio.

“A resposta à Pfizer é uma negociação. Eu estou falando de dezenas de reuniões e discussões. A resposta sempre foi: 'sim, queremos comprar, mas não posso comprar se você não flexibilizar tal medida, se não auxiliar na logística'”, disse Pazuello. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários