Demitido
Jorge William / Agência O Globo
Ex-Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio

Antes de ser demitido por ter enviado uma mensagem com ataques ao ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, o agora ex-ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio usou o mesmo grupo de WhatsApp de ministros do governo Jair Bolsonaro para pedir desculpas ao colega, dizendo saber que ele é um "homem honrado". "Mais uma vez peço que me perdoe pelo ato injusto e impensado da minha parte", complementou. Ele enviou o texto na noite de terça-feira, horas depois de ter chamado Ramos de "traíra" no aplicativo de mensagens. Mas a retratação não evitou que o presidente decidisse demiti-lo, na tarde de quarta.

"Caros colegas, venho neste mesmo espaço me desculpar com o Ministro Ramos . Tomei uma iniciativa inadequada após ouvir algumas conversas. Como disse o próprio Ministro Ramos a [sic] pouco e pessoalmente comigo, q forma mais adequada seria procurá-lo e relatar o ocorrido. Mas creio que todos nós em algum momento da vida agimos erroneamente, foi o meu caso. Ministro Ramos, sei que o Sr é um homem honrado. Mais uma vez peço que me perdoe pelo ato injusto e impensado da minha parte. Um abraço fraterno!", escreveu Álvaro Antônio .

Na primeira mensagem, o então ministro do Turismo pediu desculpas aos colegas por "utilizar este espaço com objetivo que não seja a construção de um Brasil melhor". E disparou contra Ramos: "O Sr deveria ter aprendido na sua própria formação militar que não se joga um companheiro de guerra aos inimigos, não se pode atirar na cabeça de um aliado...Ministro Ramos, o Sr é exemplo de tudo que não quero me tornar na vida, quero chegar ao fim da minha jornada EXATAMENTE como meus pais me ensinaram, LEAL aos meus companheiros e não um traíra como o senhor (sic)”.

O agora ex-ministro destaca no texto que como deputado apoia a candidatura de Bolsonaro desde 2016 e questionou qual a atuação de Ramos neste período. “Quem estava na campanha eram os conservadores que hoje o senhor ataca sem parar, de forma covarde”, escreveu.

Bolsonaro se irritou ao ver a exposição de mais uma briga entre integrantes do governo. Após o episódio no qual o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chamou Ramos de “Maria Fofoca” após a colunista do GLOBO Bela Megale revelar enfrentamentos entre ele e a ala militar do governo, o presidente pediu em uma reunião ministerial que as rusgas fossem resolvidas de forma reservada.

Ao ser chamado para o Planalto na tarde de quarta-feira, Álvaro Antônio se encontrou com Ramos e os dois bateram boca. Testemunhas relataram ao Globo que o clima ficou “tenso” e houve “gritaria”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários