Rodrigo Maia%2C presidente da Câmara
Najara Araújo/Câmara dos Deputados
Rodrigo Maia, presidente da Câmara

O presidente da Câmara , Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem seis meses restantes na cadeira de líder de Casa e, mesmo que houvesse a possibilidade de disputar o cargo novamente, diz que não vai se candidatar. Apesar de abrir mão desse protagonismo, pretende continuar atuando na política e quer contruibuir para o que ele chama de "projeto de união" para as eleições de 2022.

"Tenho condições e vou querer ajudar a construir um projeto para 2022. Sem desrespeitar o projeto dos outros, mas temos que construir um ambiente que saia dos extremos e procure defender o que é o certo e o melhor para a sociedade brasileira", afirmou Maia em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo .

Questionado sobre a chance de um novo cenário de polarização se repetir nas próximas eleições presidenciais, o presidente da Câmara disse que isso pode acontecer novamente caso não haja um projeto que una agendas da esquerda e da direita.

"Se não surgir um candidato que tenha uma agenda reformista na economia e menos radical na questão dos valores, pode se repetir. A sociedade é conservadora, mas o radicalismo de um lado ou de outro vem gerando essa polarização."

Nos últimos meses, a relação entre os três poderes teve sua tensão elevada sobretudo após  manifestações em Brasília que pediam intervenção militar, a implantação de um novo AI-5 e o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF). Algumas dessas contaram, inclusive, com a  presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Na avaliação do parlamentar, essa situação já melhorou, mas ele defendeu que se estabeleça um "muro" que divida a atuação das Forças Armadas no governo.

"É importante separar o Estado e o governo. As Forças Armadas estão no Estado. Os gestores públicos, os ministros, o presidente estão no governo. É importante que fique claro que há um muro. Não é algo contra os militares que estão no governo Bolsonaro, mas esse debate vai acontecer, no mínimo, para o próximo governo, para que fique clara essa separação", disse.

Sobre a gestão do Ministério da Saúde no enfrentamento à pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), Maia disse que a indicação do general Eduardo Pazuello para o comando da pasta não foi a melhor escolha. No entanto, ele deixou de atribuir a culpa pelas  100 mil mortes pela doença somente ao militar.

"É claro que há falta de articulação com os governadores e conflitos por causa de posicionamentos equivocados. Isso pode ter prejudicado, certamente, mas transferir 100% dessa responsabilidade para o ministro está errado. O problema é ter um vírus que vai tirar vidas de brasileiros e que vai derrubar a economia."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários