Camilo Santana, governador do Ceará é entrevistado no Roda Viva
Reprodução/Youtube
Camilo Santana, governador do Ceará é entrevistado no Roda Viva

Para o o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deveria participar de uma frente ampla pela democracia do país. A declaração foi feita durante o programa da TV Cultura, Roda Viva, nesta segunda-feira (8).

"Acredito que o ex-presidente Lula está equivocado nessa postura (de não participar de movimentos amplos pela democracia). A gente tem que deixar de pensar no passado, todos aqueles que acreditam na democracia, que está em risco no Brasil, têm que se unir", disse Santana. 

Um pouco antes, o governador ainda defendeu a união entre dois presidenciáveis que já foram aliados e não são mais: Lula e Ciro Gomes . "Desde a abertura democrática, o Lula foi o melhor presidente do Brasil na minha opinião. E o Ciro Gomes é uma dos homens inteligentes e preparados do País. E o que eu puder fazer para unir os dois eu vou fazer", declarou. 

Leia também:

"Falta noção do espaço público", diz Celso Lafer sobre reunião ministerial
Toffoli não vê “transmissão de responsabilidade” em visita de Bolsonaro ao STF
Dias Toffoli 'escapa' das perguntas e internet não perdoa; veja os memes

Covid-19

Sobre o atual processo de flexibilização do isolamento social no Ceará, o governador ainda declarou que ele está sendo acompanhado pelo comitê científico do Estado. Ele foi questionado se não se trata de uma medida precipitada, já que o Ceará é o terceiro estado do País com maior número de casos e óbitos por Covid-19. 

Você viu?

"Temos que lembrar que o Ceará também é o estado que mais testa no Brasil. Isso acaba gerando um número maior de casos e óbitos. O Ceará foi o primeiro estado a decretar o lockdown . Tem estado que o número de mortes de síndrome respiratória aguda grave aumentou até 20 vezes", argumentou.  

O estado do Ceará segundo dados do Ministério da Saúde já acumula mais de 66 mil casos de Covid-19 e mais de 4.000 mortes.

Além da crise sanitária, Santana respondeu sobre a  crise na segurança pública  que enfrentou em janeiro deste ano. Na época, houve um motim de policiais militares no Ceará que exigia aumentos salariais.

"O que a gente viu naquele momento, infelizmente, foi a partidarização do movimento. Porque o motim é uma coisa ilegal , então a minha decisão foi de tratar a coisa como inaceitável. A minha atuação foi de resistência", declarou.

O motim, que recebeu apoio indireto de Bolsonaro, ocuparam instalações da Polícia Militar e depredou patrimônio público. O movimento não atingiu seu objetivo de ter ganho salarial extra. 

Perfil

Camilo Santana é engenheiro agrônomo e foi eleito deputado estadual em 2010. No governo de Cid Gomes, foi secretário de Desenvolvimento Agrário. Em 2014, elegeu-se governador do Ceará e, em 2018, foi reeleito no primeiro turno, com quase 80% dos votos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários