Nesta sexta-feira (05), o atual secretário-executivo do Centro de Contingência do combate ao novo coronavírus (Sars-coV-2) de São Paulo, João Gabbardo , concedeu uma entrevista à GloboNews . Durante a conversa, ele declarou que ninguém morreu no Estado em razão de um possível colapso no sistema de saúde.

Leia também: Pandemia de Covid-19 está desacelerando em São Paulo, diz secretário

Secretário-executivo do Centro de Contingenciamento do combate à Covid-19
José Dias/PR
Secretário-executivo do Centro de Contingenciamento do combate à Covid-19

Segundo Gabbardo , ex-número dois da gestão de Luiz Henrique Mandetta no Ministério da Saúde, São Paulo aumentou a demanda de leitos a tempo de evitar uma sobrecarga. "São Paulo tinha 3 mil leitos específicos para Covid-19 e hoje 6 mil leitos para atendimento. Em São Paulo, as pessoas que infelizmente vieram a óbito não foram por colapso do sistema de saúde, e sim por impossibilidade do organismo de combater adequadamente o vírus, seja por decorrência de comorbidades, doença crônica ou idade avançada", disse ele.

Leia também: Covid-19: Brasil tem 1,3 mil mortos em 24h; total de óbitos é 32.548

Segundo dados divulgados ontem, São Paulo está com 71,4% dos leitos ocupados. Já a Grande São Paulo tem 82,4% de ocupação. Em maio, o índice chegou a ficar acima dos 90% na região metropolitana.

Leia também: “Já peguei 20 vezes este vírus”, declara Bolsonaro sobre Covid-19

Por fim, Gabbardo falou sobre o programa de reabertura econômica que começou a ser colocado em prática nesta semana. "A curva de São Paulo não está mais crescendo na velocidade anterior, principalmente na Grande São Paulo. Se a população entender a situação, usar máscaras, sair de casa quem tem o setor liberado, esperamos que não aumente a transmissão [da Covid-19 ]. E se isso acontecer, todos vão saber". 

    Veja Também

      Mostrar mais