O Ministério da Cidadania, comandado por Onyx Lorenzoni, determinou que o auxílio emergencial de R$ 600 seja negado a familiares de presos. A informação foi divulgada pelo jornalista André Shalders, da BBC Brasil , nesta quinta-feira (14).

Leia também: Homem com Covid-19 infecta outros 533 colegas de trabalho

Onyx Lorenzoni
Agência Brasil
Onyx Lorenzoni

A Dataprev, empresa que faz o processamento para a concessão do auxílio emergencial , admite em ofício encaminhado ao Ministério Público Federal pelo Ministério da Cidadania que restringiu o acesso às famílias de presidiários.

Leia também: Covid-19: teste em restaurante mostra velocidade de propagação do vírus; assista

Questionada, a Dataprev informou ao Estadão que mais de 39 mil pedidos feitos por detentos ou familiares vão passar por um “processamento adicional”. 

No documento, a empresa afirma que o Ministério da Cidadania, comandado por Onyx Lorenzoni , estabeleceu “ainda que de forma não definitiva, a restrição da concessão do auxílio emergencial a requerente ou membro de grupo familiar” constante na base do Departamento Nacional do Sistema Penitenciário (Depen), do Ministério da Justiça, e do regime fechado de São Paulo.

Para o procurador do MPF, Júlio Araújo, um dos autores do pedido de informação ao governo, os fatos são graves, pois a lei não estabelece nenhuma restrição. “Embora o secretário executivo do Ministério da Cidadania tenha afirmado que não houve restrição a parentes de pessoas presas que preencham os requisitos do benefício, a resposta da Dataprev aponta informação em outro sentido”. 

Leia também: Lockdown em São Paulo está sendo avaliado, diz comitê do Covid-19

Em resposta, o Ministério da Cidadania respondeu que não há veto do auxílio emergencial  em função de ser familiar de detento.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários