Ministro da Saúde em entrevista coletiva no Palácio do Planalto
Anderson Riedel/PR
Ministro da Saúde em entrevista coletiva no Palácio do Planalto

O ministro da Saúde, Nelson Teich , estreou nesta segunda-feira (27) no comando das tradicionais coletivas realizadas pelo Ministério da Saúde para atualizar as medidas de combate à Covid-19 desde a demissão de Luiz Henrique Mandetta . Com a mudança também houve alterações na dinâmica, nos participantes e na forma como as falas deles foram conduzidas.

A começar pelos integrantes da pasta presentes, além da substituição de Teich por Mandetta, a novidade foi a participação do secretário-executivo Eduardo Pazuello, que foi o sucessor escolhido pelo atual ministro para o lugar de João Gabbardo. O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, que chegou a pedir demissão a Mandetta na semana em que o chefe da pasta foi exonerado, continua no cargo e esteve presente.

Leia também: Não vai haver "medida intempestiva" contra o isolamento, diz Teich

Apesar de ser Teich que estivesse no comando da entrevista, um detalhe que chamou atenção foi que Wanderson sentou entre Teich e Pazuello, o que acabou lhe dando mais destaque. Quando era Mandetta quem chefiava a pasta, era ele quem fica ao centro e falava na maior parte do tempo, deixando alguns comentários pontuais para Gabbardo e Wanderson.

As roupas utilizadas pelos participantes da coletiva foram diferentes das utilizadas até então. Enquanto Mandetta e os integrantes de sua equipe usavam camisas com os coletes do Sistema Único de Saúde (SUS) por cima, nesta segunda Teich e seus funcionários estavam de paletó e gravata.

Leia também: "Não acredito em colapso", diz superintendente do Hospital das Clínicas da USP

No novo formato da entrevista, agora ela não é mais dividida em uma parte de comentários gerais e uma segunda onde são abordados assuntos mais técnicos sobre o novo coronavírus (Sars-CoV-2). Outra mudança foi que não foram permitidas perguntas presenciais de jornalistas.

    Veja Também

      Mostrar mais