Ex-Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta
José Dias/PR
Ex-Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta

O anúncio da demissão do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta , na tarde desta quinta-feira (16), causou uma reação quase instantânea nas redes sociais e na maioria das grandes cidades brasileiras. No Twitter , lideranças políticas teceram comentários sobre o afastamento, em sua maioria com opiniões negativas e tom de protesto.

O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), utilizou a rede para afirmar que a mudança representa um prejuízo para o país. “A saída do @lhmandetta é uma perda para o Brasil”, afirmou, com menção direta ao ex-ministro. “Desejo êxito ao novo Ministro da Saúde, Nelson Teich, e espero que siga procedimentos técnicos e atenda às recomendações da OMS”, disse Doria.

Já o líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP), disse que o ministro foi demitido por seguir a ciência e aproveitou o texto para criticar o presidente Jair Bolsonaro. "Mandetta foi demitido porque não abriu mão de princípios científicos e médicos em nome da saúde do povo brasileiro. Nelson Teich assume o lugar de ministro. Eu vi posicionamento dele pedindo isolamento horizontal para todos. Se ele persistir nesse fundamento vai ter problemas sérios com o presidente Bolsonaro e não vai durar 30 dias no cargo. Ou terá que rasgar seu diploma e terá que contrariar toda a comunidade científica mundial", afirmou.

Leia mais: "Vamos combater o Covid-19 de forma técnica e científica", diz Teich

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama, disse em sua conta do Twitter que a notícia trouxe medo em relação ao futuro. "O Brasil recebe com temor a demissão do ministro. Como médico mostrou apreço pela vida. No ofício de ministro, teve coragem ao não se submeter às loucuras de um presidente que se mostrou tantas vezes irresponsável", publicou.

Deputada federal e líder do PSL na Câmara, Joice Hasselmann também lamentou a mudança. “O ex-ministro foi o grande responsável por estruturar a resposta do governo federal ao coronavírus . Reconheceu o risco da doença e a importância do isolamento social. Amparando-se na ciência, exerceu o papel de líder na crise.”, afirmou. Hasselman ainda acrescentou o texto desejando um bom trabalho ao novo ministro.

Você viu?

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) escolheu falar diretamente ao presidente e afirmou que o líder foi insensato. “Presidente trocou Mandetta por um nome que pensa EXATAMENTE como Mandetta. Pura politicagem, ciumeira. Agora o min Saúde terá de trocar toda sua equipe e prejudicar o combate ao corona porque Bolsonaro está mais preocupado com a própria popularidade do que com o país. VERGONHA!”, publicou.

O deputado federal Túlio Gadelha (PDT), também utilizou a rede social como canal para protestar contra a escolha do presidente. “Por ciúmes, vaidade, negação da ciência (ou tudo isso junto) Bolsonaro demitiu Mandetta meio à pandemia de Covid-19. Nenhum ministro equilibrado que realize um trabalho sério se segura nesse governo de terraplanistas”, disse.

Demissão também contou com publicações de apoio

Apesar do grande volume de manifestações contrárias à saida do ex-ministro, que deixa o cargo com grande aceitação, também houve publicações que comemoraram o afastamento de Luiz Henrique Mandetta.

Leia mais: Após demissão de Mandetta, Bolsonaro fala em responsabilização por "excessos"

O deputado federal Carlos Jordy enviou uma mensagem diretamente ao ex-ministro em sua publicação de despedida. “Você começou bem, mas se deixou levar pelas influências partidárias, mídia e ‘amizades’ que possuem projeto de poder. Tinha tudo para sair gigante desse momento. Um ministro deve ter autonomia para trabalhar e tomar decisões, mas deve estar alinhado e ser leal ao Presidente!”, afirmou.

Na mesma linha de respostas, o deputado estadual André Fernandes (PSL-CE), comentou: “Já vai tarde!”. O comentário foi endossado por outros usuários, que responderam o tweet em acordo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários